sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

3 anos sem Jaci Régis


Hoje, 13 de dezembro faz 3 anos da desencarnação de Jaci Régis. Jaci como o chamávamos em nosso grupo do ICKS foi o idealizador e fundador do Instituto Cultural kardecista de Santos e seu Presidente, desde a fundação em 3 de outubro de 1999.
Jaci Régis escritor, psicólogo, economista e jornalista, foi presidente da Comunidade Assistencial Espírita Lar Veneranda, do Centro Espírita Allan Kardec  ambos de Santos. Escritor de diversos livros e  um grande pensador que deixa uma vasta obra para as futuras gerações.
Para saber mais de Jaci Régis, veja sua biografia, aqui mesmo no nosso blog.

Deixe suas lembranças desta grande personalidade em forma de comentários neste blog.

RESPOSTA BRINCADEIRAS DO KADU-JORNAL ABERTURA- SETEMBRO E OUTUBRO DE 2013

MES DE SETEMBRO -2013

PALAVRAS CRUZADAS
 HORIZONTAIS
1.Zeus, 3. Virtudes, 7 Ri, 8. LICESP, 11. Apoio, 16. Elio, 17.Ar,
18. Livre, 19.Amora, 20 Médium, 22. Mês, 23.Lago, 24. Orar,
25. Joia, 27. Jesus, 29. Orbe, 31. Casas, 32.Ler, 33.Repertório.

VERTICAIS 
1. Zelo, 2.SBPE, 4. Rito, 5. Uma, 6. Evoluir, 9. Caros, 10. Pai,
12. Perdoar, 13. Ioiô, 14. TV, 15. Temor, 17. Amelie, 18. Laços
21. Umari, 23. Laico, 25. Justo, 26. Justo, 28.Ira, 30. Beleza.

MES DE OUTRUBRO- 2013

CRUZIGRAMA
1. Dupla Vista, 2. Felicidade, 3. Misticismo, 4.Paranormal, 5. Vida Futura,
6. Conquistas, 7. Uranologia, 8. Ectoplasma, 9. Darwinismo, 10. Novo Pensar
11.Kardecista, 12. Fascinação, 13. Mediunismo, 14. Injustiça.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

A Liberdade de Ser e Escolher - Jaci Régis publicado no Jornal Abertura - novembro de 2013


Talvez o que caracterize as aspirações das pessoas de nossos dias seja encontrar a sua identidade.

O que somos, porque vivemos, para onde vamos?

Essa questão tem sido colocada há milênios, sem uma resposta satisfatória. Apenas que tudo são “insondáveis desígnios de Deus”, aos quais ninguém tem o direito de  questionar.

Foi estruturado um modelo de vida, a partir de uma suposta rebeldia da criatura com Deus, o pecado original. Indignado Deus teria determinado que as consequências desse pecado se transmitisse para toda a espécie humana, em todas as gerações. Tudo foi fechado no pressuposto da vontade de Deus. Porta vozes dessa pretensa vontade, as crenças estabeleceram regras, ordenações, que se  sobrepuseram às virtudes naturais.

Pecador nato, réprobo, o ser humano, não tem direito à liberdade de escolha. A vida, o corpo, o ar, a terra, a chuva, o sol, a morte, seu casamento, seus filhos, eram propriedade divina. Sua única esperança é o futuro, além da morte, caso aceite sem reclamação todas as dores e humilhações, se castre e renuncie a si mesmo. O modelo humilha a pessoa, não considera seus sentimentos, nem sua estrutura de ser.

Durante muitos séculos tal modelo não foi contestado. Veio, porém, a ruptura e chegamos ao século vinte, onde a ciência, desligada desse modelo, avançou rapidamente, penetrando no que se chamava “desígnios de Deus”.

As transformações se sucederam e a autoridade das religiões, criadoras e guardiãs do modelo, caiu ao ponto da sociedade rebelar-se contra a atuação desse Deus que as crenças sustentam.
 
Jaci Régis

 

E O ESPIRITISMO?

 

O Espiritismo afirma ter resolvido a equação: quem somos, de onde viemos e para onde vamos?

Em tese é verdade, dentro do seguinte enunciado: “Somos Espíritos imortais, criados simples e ignorantes e estamos no processo de crescimento evolutivo, em segmentos reencarnatórios”. Ele também apresenta uma nova visão da humanidade como um conjunto de Espíritos, ora encarnados, ora desencarnados.  Esse novo modo de entender as reações e interações físico-mentais, introduzirá uma forma mais ampla de avaliar o objetivo da vida e do projeto individual de cada um.

Na prática, contudo, esse enunciado sucumbe pela utilização de linguagem e conceitos muito parecidos com o modelo das igrejas.

Kardec aceitou, na elaboração de O Livro dos Espíritos, a utilização pelos Espíritos de uma linguagem que mantém, em parte, a falsa relação entre Deus e a criatura, constantemente ressaltada nos textos bíblicos. Felizmente podemos analisar suas ideias no contexto atual, em relação ao contexto em que as escreveu.

Ali encontrarmos expressões como Deus não permite. Como ousais pedir a Deus conta dos seus atos? Pensais poder penetrar os seus desígnios? Os únicos sofrimentos que elevam são os naturais porque vêm de Deus. Deus castiga a humanidade com flagelos destruidores, para fazê-la avançar mais depressa.  As classes que chamais sofredoras são mais numerosas porque a terra é um lugar de expiação.

944 – O homem tem o direito de dispor da própria vida?

Não. Somente Deus tem esse direito.

953.a – Concebe-se que, em circunstâncias, seja o suicídio repreensível, mas figuremos o caso em que a morte é inevitável e em que a vida só á abreviada por alguns instantes.

-É sempre uma falta de resignação e de submissão à vontade de Deus.

Outro ponto básico da doutrina espírita é o livre arbítrio. Sem ele o ser seria uma máquina, é textual. O livre arbítrio, contudo, tem sido mais usado como explicação para os fracassos e justificar as dores, numa aplicação direta da Pena de Talião. E não como pedra angular do edifício da vida universal, no pleno exercício da liberdade de construir seu próprio destino. A liberdade  é vista, sob certa forma, como problema,  dada as consequências dos atos, gerando culpa e castigo.

Que dizer então da pretensa supremacia dos Espíritos sobre os encarnados?
 Nesse sentido a sua influência é maior do que supondes, porque muito frequentemente são eles que vos dirigem”  diz O Livro dos Espíritos, anulando a teoria do livre arbítrio.

A elaboração das ideias pelos gênios e pessoas inteligentes, “somente algumas proveriam deles próprios. Pois frequentemente são apenas interpretes do pensamento de Espíritos, estes sim, sábios e superiores”.

Mantido esse entendimento é difícil tornar aceitas as teses espíritas.

 

UM NOVO PERFIL

 

É necessário modelar um novo perfil para a pessoa humana e para a sociedade.

Agora as pessoas pretendem ter liberdade de escolher o próprio destino, sem o tacão de Deus.

São legítimas essas pretensões? Afinal o que se pretende? Destruir a sociedade? Viver sem valores, sem regras, sem limites?  Eis as questões que precisam ser consideradas. 

Aborto, eutanásia, células embrionárias, liberdade sexual, liberdades civis. Geralmente esses temas são logo combatidos pelas religiões que pretendem parar o sol, com seus dogmas e falar em nome de Deus.

Os espíritas não têm por que temer debater essas reivindicações. Não se trata de aceitá-las ou negá-las simplesmente. Nem, muito menos, engrossar o protesto frágil das religiões. Devemos, com bom senso, aceitar o desafio, pois o progresso se faz sempre.

A sociedade materialista e também niilista, segue adiante.

Kardec disse que o Espiritismo “Não deve fechar as portas a nenhum progresso, sob pena de suicidar-se.” E adverte “Entretanto, embora seguindo o movimento progressista, é mister faze-lo com prudência e evitar entregar-se às cegas aos devaneios, utopias e novos sistemas. Importa faze-lo a tempo, nem muito cedo, nem muito tarde e com conhecimento de causa”.

Orientação mais segura e positiva impossível.

O Espiritismo tem base para uma nova visão de Deus e do ser humano. Mas precisa reelaborar algumas posições, que o afastam das aspirações mais legítimas.

Que será do mundo sem Deus?

Mas que Deus?

Estes textos parecem definir bem o que o Espiritismo pode afirmar:

“Deus tem as suas leis, que regulam todas as vossas ações. Se as violardes, a culpa é vossa. Sem dúvida, quando um homem comete um excesso, Deus não expende um julgamento contra ele, dizendo-lhe, por exemplo: tu és um glutão e eu te vou punir. Mas ele traçou um limite: as doenças e por vezes a morte são consequências dos excessos. Eis a punição: ela resulta da infração da lei.”

“A sabedoria de Deus se encontra na liberdade de escolha que concede a cada um, porque assim cada um tem o mérito de suas obras.” (123).

 

Nota da Redação : Este artigo data de junho de 2007 não encontramos evidências de que tenha sido publicado anteriormente.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

20 Princípios da Ciência da Alma - Ricardo Nunes


20 princípios da ciência da alma.

Estamos muito próximos do XIII Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita e, no último encontro, fui convidado a falar em uma mesa redonda sobre a tese da “ciência da alma”, de Jaci Régis. À época, elaborei alguns princípios que, segundo meu entendimento, resumem algumas ideias fundamentais desta importante proposta ao movimento espírita. Seguem abaixo 20 princípios da ciência da alma:

1- Ter consciência da importância da linguagem no trato das questões teóricas do Espiritismo. Como dizia Jaci, “anjo não pode ser sinônimo de espírito superior”.

2- Conscientizar-se que o objetivo da vida é o prazer, que se realiza através de uma existência útil, produtiva e direcionada ao bem. A ciência da alma postula que devemos nos afastar da cultura da dor, que desvaloriza a vida terrena.

3- Aplicar o “critério kardecista” na análise dos temas espíritas. Este “critério kardecista” nos convida à racionalidade, bom senso e equilíbrio na resolução das questões doutrinárias.

4- Abandonar a pretensão de o Espiritismo ter explicação para todas as coisas. O Espiritismo tem um objeto de estudo.

5- Manter equilíbrio entre a racionalidade e a afetividade. O homem é um ser de razão e emoção, devendo haver harmonia entre estas duas faculdades humanas.

6- Abandonar a ideia de que o Espiritismo seria ciência, filosofia e moral ou religião, por entender superada esta concepção.  O Espiritismo é um conhecimento.

7- A ciência da alma postula a existência de Deus. Não um Deus antropomórfico, mas um Deus que se revela na perfeição da lei natural. A lei divina ou natural possui flexibilidade para o erro e o acerto na realização dos processos naturais, sendo que tais processos objetivam, teleologicamente, a vida e a evolução.

8- Enxergar no planeta Terra um lindo “planeta azul”, uma apropriada escola evolutiva, e não um mundo de provas e expiações, um vale de lágrimas, segundo a orientação geral do cristianismo seguida pelo Espiritismo.

9- Compreender a frase de Allan Kardec “o verdadeiro espírita se reconhece por sua transformação moral” não de forma restritiva, apenas em um sentido moralista, mas sim em relação à capacidade que o espírita deve ter de mudar em todos os sentidos, inclusive, convicções, crenças e mentalidade.

10- Ter consciência que o Espiritismo nasce no caldo de cultura cristão que acaba por deturpar, em muitos aspectos, o potencial revolucionário das ideias espíritas. É necessário desvincular o Espiritismo da influência cristã para que ele possa desenvolver todas as suas possibilidades.

11- É necessário realizar um permanente exercício de atualização do Espiritismo. Porém, neste processo de atualização, não deveremos caminhar muito apressadamente, cedendo a utopias, e nem ficarmos retardados ante os reais avanços dos conhecimentos.

12- Ver em Jesus, filho de Maria e José, um sábio, a inspirar caminhos e atitudes.

13- A ciência da alma deverá se organizar como uma ciência humana e não como uma ciência da natureza.

14- A ciência da alma busca resgatar o papel da mediunidade como instrumento de comprovação da imortalidade da alma e diz não à ritualização do exercício mediúnico e consequente idolatria de médiuns e espíritos.

15- A ciência da alma nos convida a não esquecer que os espíritos nada mais são do que homens desencarnados em suas variadas condições evolutivas, portanto, não devem ser idealizados apenas por sua condição de desencarnados.

16- Manter uma postura de fidelidade e crítica a Allan Kardec, em um processo de permanente releitura do Espiritismo.

17- Quanto à tese da reencarnação, a ciência da alma propõe a reencarnação como instrumento de evolução e felicidade, e não como forma de punição e expiação. A ciência da alma não vê o homem maculado pelo “pecado originário” de suas reencarnações anteriores.

18- A ciência da alma não nega o sofrimento, porém não se perde na inócua procura de suas hipotéticas causas anteriores. A ciência da alma busca a superação do sofrimento.

19- A ciência da alma distingue Espiritismo de cristianismo e não vê no Espiritismo uma forma de “cristianismo redivivo” ou “reforma do cristianismo”.

20- A ciência da alma ou doutrina kardecista tem uma visão otimista sobre os temas Deus, homem e mundo. Afinal, como dizia Jaci Régis: “Não quer Deus o sorriso?”.

 

 

Ricardo Nunes

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

XIII SBPE um sucesso de público e de conteúdo


XIII SBPE energias renovadas

Após 13 meses de intensa divulgação e preparação finalmente aconteceu o tão esperado Simpósio, de 25 a 27 de outubro,  reunindo 87 pessoas em 3 dias de intensa movimentação e aprofundamento doutrinário, com 12 trabalhos apresentados, com um grande espaço para perguntas, espaço para autógrafos, livraria, coquetel de abertura, coffe-brakes, finalizado com uma mesa redonda a respeito do importante tema de interesse dos livre pensadores que foi “A Divulgação de nossas ideias” com excelente participação do público.

Veja também as matérias sobre o 14° e 15° SBPE!


Durante o evento ocorreu também a Assembleia da Cepa-Brasil que elegeu para um mandato de 2 anos uma nova diretoria capitaneada por Homero Ward da Rosa que substitui a Alcione Moreno que esteve no cargo por brilhantes 4 anos.

Recepção:

Desde as 14 horas de sexta-feira já estávamos posicionados para receber os amigos e credenciá-los para o evento.


Abertura do evento

Na sexta-feira, dia 25 às 20:00 horas Alexandre Cardia Machado presidente do Instituto Cultural Kardecista de Santos faz uso da palavra, relatando o processo de desenvolvimento e preparação deste importante evento ao longo dos últimos 13 meses, falando sobre o prazer de planejar junto com toda a equipe do ICKS mais um evento desta magnitude, onde os apresentadores se inscrevem livremente e produzem um trabalho que é incorporado aos anais do SBPE.

Alexandre Cardia Machado

Trabalhos do primeiro dia

Foram apresentados, “Uma análise kardecista da desobediência civil” por Eugenio Lara e “O desenvolvimento do Espírito, até o surgimento da vida na Terra, uma hipótese livre pensadora Kardecista” apresentado por Alexandre Machado, coordenando a mesa Roberto Rufo.

Alexandre Cardia Machado - Eugenio Lara  - Roberto Rufo

Coquetel

Logo após a apresentação dos trabalhos acima referidos, todos os convidados foram convidados a descer até o refeitório onde foram servidos salgadinhos e bolo, numa grande confraternização.


Um sábado intenso

 As atividades retomaram às 9 horas da manhã, com o trabalho “O Livre Arbítrio e os seus inimigos” por Roberto Rufo e Silva e “Pesquisa Mediúnica sobre Reencarnação” apresentado pelo Grupo Espírita Livre Pensador que foi apresentado por Sirlei Chaves e Jaime Lara, coordenado por Valéria Régis e Silva.


Foto superior: Roberto Rufo - Jaime - Sirlei e Valéria
Foto inferior: Roberto Rufo - Jaime e Sirlei

Após o coffe-brake a segunda sessão da manhã contou com Herivelto Carvalho falando sobre “A Filosofia Espírita de Torres-Solanot” Espírita espanhol da virada do século XX e Beatriz Régis Machado, jovem da Mocidade Espírita Estudantes da Verdade do CEAK que apresentou o tema “Direito à Vida” na coordenação da mesa Bruna Régis Machado.

Herivelto - Beatriz - Bruna

Bruna Régis Machado

Herivelto Carvalho

Beatriz Régis Machado

Almoço

No intervalo do almoço, muitos foram ao Restaurante Caiçara que havia feito um convênio para o Simpósio, distante apenas duas quadras facilitando o deslocamento de todos.
Primeira sessão da tarde contou com Eugenio Lara e Ademar Chioro dos Reis que apresentaram respectivamente os trabalhos “ Os desertores de Kardec” e “Politicas publicas para  álcool e drogas e o papel dos espiritas” coordenando a mesa Rosana Régis e Oliveira.

Eugenio Lara

Ademar Arthur Chioro dos Reis
Rosana Régis e Oliveira


Livraria e Autógrafos

Neste Simpósio o ICKS montou uma livraria onde foram vendidos cerca de 50 livros e ou CDs de diversos autores, inclusive alguns deles presentes no evento. Houve neste intervalo da tarde um espaço destinado aos autógrafos, como este abaixo de Milton Medran Moreira com 3 títulos disponíveis a venda.

Milton Medran Moreira autografando



Bazar de Natal do Lar Veneranda

Já é uma tradição em nossos eventos a participação do Bazar Beneficente de Natal da Comunidade Assistencial Espírita Lar Veneranda, coordenado por Djorah Silva.


Djorah Silva - Nair

Trabalhos

Os últimos dois trabalhos apresentados no sábado, tiveram como foco a obra de Jaci Régis, os trabalhos “Pode o espiritismo ser considerado ciência da alma?  - Uma análise epistemológica da  proposta do pensador espírita Jaci Régis” desenvolvido pelo ICKS e apresentado por Cláudia Régis Machado e Valéria Régis e Silva. Em seguida “Jaci Régis e o Jardim de Epícuro” que Ricardo Nunes apresentou. Esta sessão foi coordenada por Beatriz Régis Machado.

Cláudia Régis - Valéria Régis

Ricardo Nunes

Equipe  do ICKS em ação

Cláudia - Mauricy -Valéria - roberto - Rosana e Camila
Yuri e João Conde recolhendo as perguntas



Assembléia da CepaBrasil

Foi realizada à partir das 19 horas a Assembleia Geral da Cepa-Brasil onde foi eleito Homero Ward da Rosa para o próximo biênio, substituindo a Alcione Moreno que deixa a presidência após 4 anos de mandato.

Alcione Moreno

Domingo – trabalho e muita discussão

No domingo tivemos uma sessão com mais dois trabalhos apresentados, seguido de uma mesa redonda onde foi discutido – Divulgação de nossas ideias.

Trabalhos

Alcione Moreno e Reinaldo Di Lucia desenvolveram dois interessantes trabalhos: “Sexualidade e Espiritismo” e Livre Arbítrio” respectivamente. Coordenou o trabalho Guilherme Régis e Silva

Alcione Moreno - Reinaldo di Luccia

Mesa Redonda

Curiosamente tivemos uma mesa redonda gaúcha formada por Alexandre Machado - presidente do ICKS, Homero Ward Rosa – presidente da CepaBrasil e por Milton Medran Moreira presidente do CCEPA que edita o Jornal Opinião, coordenou as discussões Cláudia Régis Machado.

Todas as sessões foram com muita participação da plateia com um número muito elevado de perguntas interessantíssimas.

Alexandre Machado - Homero Rosa - Milton Medran

Encerramento

Finalmente Alexandre Cardia Machado encerrou o Simpósio com elogio ao trabalho da Equipe do ICKS e amigos que muito fizeram para divulgar e apoiar o sucesso obtido no XIII SBPE.

Alexandre Machado

Participantes curtindo o sol na fachado do prédio 

Nazareh - Eugenio - Ivon Régis
Público


Convite para o XIV SBPE

Fica aqui expresso o convite para 2015, no mês de outubro estaremos realizando o XIV SBPE, posteriormente determinaremos a data.





sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Desafios do Kadu - Revista de Entretenimento Espírita - autora Cláudia Régis Machado

Você gosta de diversão? Já pensou em fazer isto e testar seus conhecimentos espíritas?

Compre já a revista de entretenimento - Desafios do Kadu por apenas R$ 10,00 entregues em sua residência.




É muito fácil - mande um email para nós. ickardecista1@terra.com.br

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Encontrado fóssil de um australopiteco de 2 milhões de anos que pode ter sido um elo evolutivo de nossa espécie - Alexandre Cardia Machado


Encontrado fóssil de um australopiteco de 2 milhões de anos que pode ter sido um elo evolutivo de nossa espécie

Alexandre Cardia Machado

 

O Australopithecus sediba, descoberto em 2008, pode ser o ancestral direto do gênero Homo. É o que afirmam pesquisadores da Universidade de Witwatersrand, na África do Sul, e da Universidade de Zurique, na Suíça, depois que análises de ossos fossilizados de pré-humanos encontrados em Malapa  - um sítio ao norte de Joanesburgo, na África do Sul - revelaram uma idade de 1,98 milhão de anos. Ele é velho suficiente para ter dado origem ao Homo erectus - que viveu há 1,9 milhão de anos - espécie que é aceita pelos paleoantropólogos como ancestral direto do gênero humano.

Esta evidência da cadeia evolutiva, que levou ao desenvolvimento do homem moderno, nos mostra que nossa espécie passou por várias etapas num processo longo de evolução, em um mundo onde a mudança climática era o principal componente a acelerar a evolução das espécies.

Algumas características deste proto-humano que o coloca na linha de montagem do ser humano:

• Cérebro - A região do polo frontal e a área do bulbo olfatório são semelhantes aos de humanos. Isso pode indicar que a reorganização dos neurônios observada em espécies Homo pode ter ocorrido antes do aumento do cérebro.

• Mãos – Dedos menores, mas polegares longos. Além disso, um metacarpo (a parte da mão anterior aos dedos) robusto. Por essas características, o exemplar teria condições de usar ferramentas com mais facilidade até do que o Homo habilis - considerada a primeira espécie a dominar instrumentos -, primeiro representante do gênero Homo. Ao mesmo tempo, demonstra habilidades especiais para escalar árvores.

• Pelve (bacia) – Antes, acreditava-se que o aumento da pelve estava associado ao nascimento de indivíduos com cérebros maiores. Mas o espécime apresenta uma pelve bastante desenvolvida, sugerindo que o bipedismo mudou essa estrutura antes do aumento no volume cerebral. 

A equipe descobriu que o Australopithecus sediba reúne várias características que não são observadas em outros possíveis ancestrais do gênero humano. O fóssil mostra um cérebro surpreendentemente moderno – ainda que pequeno –, mãos desenvolvidas com polegares longos, uma pelve muito parecida com a de humanos e formato de pés e tornozelos misturando traços humanos e primatas.  Sua característica mais impressionante é suas mãos, cujos dedos polegares eram fortes suficientes para subir árvores, mas também se parecem com as mãos humanas, capazes de usar ferramentas com precisão. Até agora, este posto pertencia apenas ao Homo habilis, que viveu há cerca de 2 milhões de anos também.

Salientamos este ponto, pois o ser humano parece não ser um projeto, mas sim uma sequencia de adaptações, nos demonstrando que os caminhos que fizeram com que chagássemos ao que somos são curvos, como em si é a natureza.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

RESPOSTA BRINCADEIRAS DO KADU- MES DE JULHO E AGOSTO 2013

RESPOSTA BRINCADEIRAS DO KADU- JORNAL ABERTURA
MES DE JULHO-  FRASE OCULTA

"O ESPIRITISMO AMPLIA OS HORIZONTES DA VIDA, MOSTRANDO A OBRA DIVINA SOB UMA VISÃO DINAMICA"  - JACI RÉGIS

MES DE AGOSTO - SÓ VOGAIS

HORIZONTAL: INFERE, AMOR, FELICIDADE,RISO, EGOISTAS,PARTIRA,BOA,VIDE,NÓS,SERVIR, LEI, FOME, IA ORGULHO, RAMA, AVARO.

VERTICAL: INFIEL, VALOR, FÉ, ERA,OPA, ENIGMA,REI, IR,CRISTÃO,FOLHA,MISTICISMO,DOAR,SABER,MODA, VIBRAR, REALIZA, IRADO.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Tudo pronto para o XIII SBPE - Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita


Marque na agenda XIII SBPE em outubro - tudo pronto só falta a sua inscrição!

O Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita será realizado de 25 a 27 de outubro, em Santos, na Avenida Francisco Glicério, 261 – Gonzaga.

Estamos quase lá! Os trabalhos a serem apresentados e autores já estão definidos. Vejam abaixo que serão 12 temas distintos, ou abordados de forma diferente.

A programação do evento será feita de forma que todos os participantes possam assistir a qualquer trabalho, sem precisar escolher entre eles.

Como nesta edição serão apenas três dias, ao contrário dos encontros anteriores que eram realizados em feriados, buscamos favorecer a ampla participação. Ainda há tempo de se inscrever e os detalhes podem ser encontrados no blog do ICKS: http://icksantos.blogspot.com.br ou pelo telefone da secretaria do evento (13) 3321-3452.

Haverá um bom equilíbrio entre estudos individuais (nove) e trabalhos produzidos por grupos de estudos (três), demonstrando que a cada dia mais grupos se dedicam ao estudo contínuo da Doutrina Kardecista.

Relação de trabalhos:

AUTOR TÍTULO CIDADE
Ademar Arthur Chioro dos Reis Politicas publicas para  álcool e drogas e o papel dos espiritas Santos -SP
Alcione Moreno Sexualidade e Espiritismo São Paulo - SP
Alexandre Cardia Machado O desenvolvimento do Espírito, até o surgimento da vida na Terra, uma hipótese livre pensadora Kardecista Santos -SP
Eugenio Lara Os Desertores de Kardec São Vicente -SP
Eugenio Lara Uma análise Kardecista da desobediência civil São Vicente -SP
Grupo Livre Pensador Pesquisa Mediúnica sobre Reencarnação São Paulo - SP
Herivelto Carvalho A Filosofia Espírita de Torres-Solanot Ibatiba -ES
ICKS - Grupo de Estudos Pode o espiritismo ser considerado ciência da alma?  - Uma análise epistemológica da  proposta do pensador espírita Jaci Régis  Santos -SP
Mocidade Espírita Estudantes da Verdade Direito à Vida Santos -SP
Reinaldo di Lucia Livre Arbítrio Santos -SP
Ricardo Nunes Jaci Régis e o Jardim de Epícuro Guarujá -SP
Roberto Rufo O Livre Arbítrio e os seus inimigos Santos -SP

 

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

De onde viemos? Alexandre Cardia Machado


Abrindo a Mente: Alexandre Machado

De onde viemos? Primeira parte

Uma resposta rápida seria, viemos das estrelas enquanto corpo físico, quanto ao espírito em origem, tudo leva a crer que tenhamos sido criados junto com a matéria no big bang.

“Como meio de elaboração, o Espiritismo procede exatamente da mesma forma que as ciências positivas, aplicando o método experimental. Fatos novos se apresentam, que não podem ser explicados pelas leis conhecidas; ele os observa, compara, analisa e, remontando dos efeitos às causas, chega à lei que os rege; depois, deduz-lhes as consequências e busca as aplicações úteis. Não estabeleceu nenhuma teoria preconcebida;...É, pois, rigorosamente exato dizer-se que o Espiritismo é uma ciência de observação e não produto da imaginação.”

Partindo portanto desta base, cabe-nos verificar em que pontos a concepção Kardecista de evolução dos Espíritos, dos encarnados na Terra, precisa ser aprofundada. Nosso ponto de partida são as obras de Kardec, como também a Revista Espírita, passando por uma crítica racional.

Sabemos que o espírito é criado simples e ignorante (princípio espiritual), devemos portanto admitir que o espírito vá se tornando mais complexo desde a sua criação até um momento qualquer que o analisemos. Algo que evolua, que seja imortal e sede da inteligência, deverá necessariamente desenvolver-se ou seja passar de simples e ignorante a algo complexo e inteligente. Mas para que ele evolua há que o corpo físico se desenvolva da mesma forma.

O corpo físico

Os tijolos da vida - a composição da química da vida em todas a formas de vida que conhecemos, dependem da presença de alguns elementos químicos principais: são eles:  Hidrogênio, Oxigênio, Carbono e Nitrogênio. Todos os outros elementos químicos juntos representam menos de 1% da massa do corpo humano, como exemplo.

Não é a toa que os quatro elementos principais fazem parte dos seis elementos mais comuns do Universo, os demais são Hélio e Neón. Curiosamente, estes 4 elementos básicos para a vida não são tão presentes na Terra, como o são no espaço, ou seja a incidência destes elementos na Terra, onde sabidamente há vida, é menor do que na média dos outros locais do universo, demonstrando que os componentes químicos necessários ao aparecimento da vida, são muito comuns no universo, nos permitindo pensar que, se as condições ambientais favorecerem, a vida pode se originar em qualquer lugar no espaço onde são gerados no interior de estrelas.

O processo de formação de uma estrela até a sua destruição não é muito rápido e está na casa de bilhão de anos. Assim é provável que nos primeiros 2 bilhões de anos pouco ou quase nenhum carbono estivesse disponível. Passado portanto esta primeira etapa órfã de Carbono, começam novos ciclos de vida de estrelas, e neste aspecto é importantíssimo o caos a que se segue a uma explosão de uma nova ou de uma supernova, pois ela espalha nas regiões interestelares, uma nebulosa, repleta destes elementos mais pesados, como Carbono, Silicio, Ferro, Níquel misturados a uma quantidade enorme de gases, como hidrogênio, oxigênio, hélio e neón.

Como toda a vida até hoje detectada, está baseada no Carbono e na química orgânica, podemos pensar que nos primeiros bilhões de anos após o Big Bang, nenhum princípio espiritual  pudesse ter evoluído a espírito.

À partir de uma nebulosa há cerca de 5 bilhões de anos atrás, fez-se surgir o Sol e seu sistema planetário e com o tempo a vida na Terra.

Continuaremos no próximo mês à partir daí. Você poderá acompanhar em nosso blog também.

Para abrir mais a sua mente:  Kardec, Allan -A Gênese – os milagre e as predições segundo o Espiritismo ed. FEB página 20; Kardec, Allan – O Livro dos Espíritos; Tyson, Neil DeGrasse e Goldsmith, Donald – Origins Fourteen Billion Years of Cosmic Evolution – Norton & Company.