terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

O Papa desistiu - Bento XVI renunciará - por Alexandre Cardia Machado

Em Abril de 2007 publicamos um editorial com o título “As razões do Papa”, do mesmo destacamos as principais bandeiras defendidas pelo Papa Bento XVI, eram elas: Não ao divórcio, missa em Latim, acusação de praga ao segundo casamento com a recusa aos sacramentos à estas pessoas, dentre outras, como podemos perceber quase nada mudou, talvez as razões do Papa em 2007 e o insucesso na mudança da Igreja, ainda sejam as mesmas razões de o fazer desistir.




No dia 11 de Março de 2013, o Papa Bento XVI surpreendeu os católicos do mundo inteiro. Anunciou a decisão em latim, em uma reunião do conselho de cardeais. “Queridos irmãos, convoquei vocês para comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter repetidamente reexaminado minha consciência perante Deus, cheguei à certeza de que minhas forças, devido a minha idade avançada, não são mais adequadas para o exercício do ministério de Pedro”, anunciou.

O último Papa a renunciar havia sido Gregório XII, em 1415, antes do descobrimento da América e ainda na idade média, não deixa de ser uma raridade. Joseph Alois Ratzinger foi eleito no dia 19 de abril de 2005, não deixará de ser Papa, só perderá o poder e deve ficar recluso para meditação, teremos dois Papas, o que é mais uma vez uma novidade. Os noticiários irão cobrir a maratona da eleição de um novo pontífice, mas o que aprendemos disto.

Acreditamos que o primeiro ensinamento é que a sociedade evolui, nas suas leis e na forma de conviver em sociedade, mesmo o Papa é incapaz de deter o progresso, a Igreja já deveria ter aprendido ao perder a corrida do conhecimento para a ciência, já no século XVII. Está perdendo a corrida da fé cristã para as igrejas pentecostais, a corrida social para os movimento de defesa de monorias, poir por mais que publique encíclicas, nem mesmo os católicos as leem.

A Igreja há de eleger um Papa ligado aos movimentos sociais, moderno, mais novo, ou, mais uma vez verá o mundo mudar ao seu redor, sem poder fazer muito para ajudar na orientação de seus fiéis. O novo pontífice terá que enfrentar de frente a corrupção interna no banco do vaticano, a pedofilia praticada por padres mundo afora, a camisinha, o sexo livre, o divórcio, ou ficará distante do mundo no qual o seus seguidores vivem, há que saber orientar, sem uma reforma interna, acreditamos que não terá sucesso, a saída de Ratzinger demontra cabalmente a humanidade de seus líderes, quem sabe os faça descer do pedestal e se aproximar do povo.



6 comentários:

  1. gostei muito desse seu comentario Palmyra - Santos

    ResponderExcluir
  2. Em 11 de FEVEREIRO ...

    ResponderExcluir
  3. Bom dia Alexandre.
    Muito interessante esta forma de ver a situação atual da Religião Romana.
    Quanto a ter 2 papas, um em atividade e outro em repouso é uma situação
    bastante irregular, mas, se assim querem, essas coisas do homem.
    Mas, quanto a ter 2 Papas já houve oportunidade dessa ocorrência,
    um na Alemanha e outro na Espanha, antes de construirem o Vaticano
    e tornar essa religião como Romana, nessa época a sede da religião
    era a localidade do Papa em exercício.
    Vou procurar este livro e a matéria e te encaminharei mas, talvez no
    livro História dos Papas tenha esta passagem, o livro em que tive essa
    informação é escrito por padre católico de São Paulo (do Seminário do Ipiranga)
    registrando os demandos desses homens em nome da Igreja, obviamente
    que não é editado pela editora católica e não consta aprovação dessa
    administração.
    Abraços
    Jorge

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o artigo nos mostra que muito precisa ser feito para que o cristianismo catolico aprenda a lidar com questões da sociedade, imprimindo uma abordagem atualizada.

    ResponderExcluir
  5. Muito interessante o artigo, continuem assim, perpetuando a doutrina espirita.

    ResponderExcluir
  6. Acredito que nao faz parte da cultura catolica mudar seus conceitos e evoluir junto com a sociedade, a dogmatização da biblia simplesmente nao permite isso...então creio que o novo PaPa será tão conservador quanto seus preceptores e é por isso que cada vez mais a Igreja Catolica perde seus "verdadeiros fies" e restam apenas o que se dizem catolicos mas que na verdade nao seguem nenhum principio da Igreja.

    ResponderExcluir