segunda-feira, 24 de junho de 2013

Minha Experiência no SBPE – Cláudia Régis Machado

Participei em quase todas as atividades possíveis nos diversos simpósios, na recepção, nos bastidores, coordenando mesas e, em 2009, pude participar de uma mesa que discutia o Modelo Kardecista proposto por meu pai, Jaci Régis. Em 2011, pela primeira vez, apresentei um trabalho sobre o Gabinete Psico-mediúnico do ICKS.


Foto: Jaci Régis X SBPE - Santos - 2007



Falar sobre o SBPE me remete a pensar no meu pai, na sua versatilidade, homem capaz de debater ativamente as suas ideias, inconformado com a velocidade das mudanças e, ao mesmo tempo, ser capaz de demonstrar uma ternura extrema, como no exemplo que vou fazer referência aqui.




Foto: XII SBPE - Santos - 2011 - Cláudia e Bruna Machado


Jaci Régis no X Simpósio Brasileira Pensamento Espírita, que aconteceu em Santos no ano de 2007, propôs uma vivência motivadora, para reflexão sobre nossa existência. Existência que tem dinâmica própria, com medos, alegrias, angústias, frustações, realizações, desejos e ansiedades e, mesmo assim, pode se transformar. Jaci dava como exercício amassar um papel e depois desamassá-lo, deixando-o o mais liso possível.


“Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia. Tudo passa tudo sempre passará. A vida vem em ondas como um mar. Num indo e vindo infinito. Tudo que se vê não é igual ao que a gente viu a um segundo, tudo mundo o tempo todo no mundo.

Não adianta fugir nem mentir a si mesmo, agora, há tanta vida lá fora, aqui dentro, sempre, como uma onda no mar.” – Lulu Santos



Embalados pela música de Lulu Santos que nos amplia os pensamentos, a imaginação e aviva os sentimentos, despertando e motivando a entrar no exercício que seguia em fechar a mão esquerda como um copinho de café e colocar a folha desamassada em cima e, com dedo indicador da outra mão formar um caule de flor. Depois, ajeitando para formarmos as bordas de uma flor, fazer o seu acabamento e, enfim, transformar o papel amassado em uma singela flor.


Tudo isso para mostrar-nos, concretamente, que o papel representa nosso comportamento, nosso caráter. Às vezes amassamos, confrontamos, entramos em conflito e parece que não tem mais volta.

Todavia, há sempre oportunidade de reverter e reiniciar.


E como se pode fazer uma flor, ainda que imperfeita, de uma folha amassada, podemos também transformar nossos comportamentos em algo melhor, mais satisfatório, mais recompensador.

O simpósio é sempre uma grata surpresa, assim como essa vivência que participamos.

Entre a quantidade de trabalhos que assistimos, estudamos e aprendemos em todos os simpósios realizados, há sempre novidades e atividades marcantes como esta relatada. Experiências como esta mostram como o simpósio é um momento rico em vários aspectos como: encontro com amigos, estudos, descobertas, aprofundamento, realidade, execução, realização, trabalho.


Um evento marcante tem se mostrado em todos estes anos de realização. Minha experiência dentro dos Simpósios é marcada por tudo isso, daí a sua importância. Por isso participo sempre e convido a todos a também VIVER OU REVIVER estes momentos.



Um comentário:

  1. Claudia, muito linda e importante sua lembrança de um momento singelo do SBPE que contem tanto ensinamento!!!
    Beijos gisela

    ResponderExcluir