segunda-feira, 16 de outubro de 2017

As mulheres continuam morrendo. Deixam filhos. Alguém está preocupado? por Roberto Rufo

As mulheres continuam morrendo. Deixam filhos. Alguém está preocupado?


Em Reportagem Especial do Jornal O Estado de São Paulo de nome "Os Órfãos do Feminicídio"  somos informados que em pelo menos dois terços dos casos de feminicídio, a mulher assassinada é mãe. Na maioria das vezes deixa dois filhos e em 34% dos casos , pelo menos três. Os dados são de um estudo da Universidade Federal do Ceará que acompanha um grupo de 10 mil famílias vítimas de violência em nove Estados do Nordeste. O trabalho está sendo ampliado para mais quatro Estados : Rio Grande do Sul , Goiás, Pará e São Paulo. O número de órfãos , vítimas do feminicídio, deve aumentar significativamente quando esses dados tiverem sido coletados. Pode-se afirmar isso com uma certeza quase absoluta, pois o número de mulheres mortas em São Paulo bateu recorde em Agosto/2017.

Alguém está preocupado? O Judiciário está preocupado? Os nossos legisladores, em sua maioria homens , estão preocupados ou no momento o importante é salvar suas cabeças?

O Espiritismo jamais aceitará qualquer tipo de teoria que coloque a mulher em situação de inferioridade em relação ao homem. Como dizem os espíritos, somente entre homens pouco avançados do ponto de vista moral a força faz o direito. A instituições tais como a FEESP, a FEB, a USE e a CEPA estão preocupadas com esse quadro assustador do feminicídio? Já se manifestaram oficialmente em defesa da mulher? Se não o fizeram correm o risco de serem confundidas com as religiões neopentecostais, representadas por um pastor que ouvi um dia desses na televisão dizendo que a mulher não foi feita do pé do homem para estar debaixo dos seus calcanhares, contudo não foi feita da cabeça do homem para terem posição de mando no matrimônio . Foram feitas da costela do homem, diz o pastor, para ficarem numa posição subalterna a do homem . Aí fica difícil lutarem contra o feminicídio , que ao mais da vezes são consequência de posições independentes assumidas por algumas mulheres corajosas. Muitas pagam caro por isso. 


                                                                                                                                           Roberto Rufo .

                                        

sábado, 7 de outubro de 2017

Ser Progressista - por Alexandre Cardia Machado

Ser progressista
A discussão em torno deste tema tem tomado conta do Grupo de Estudos do ICKS, em preparação para o nosso trabalho a ser apresentado no SBPE. Para tanto nos propusemos a analisar os jornais Espiritismo e Unificação e o nosso Abertura buscando temas que tem sido  caracterizados como frentes progressistas. Demonstraremos no SBPE que o Espiritismo é sim progressista e nossos veículos de comunicação o são em grau maior.


Esta questão se faz importante num momento em que a humanidade alcança avanços impressionantes em todos os campos de conhecimento, a ciência a cada dia nos tráz novidades, a medicina, a internet, os meios de comunicação. No campo das questões sociais nos parece que o avanço é mais lento, pois esbarra em alguns pontos que gostaríamos de discutir aqui.

O progresso social depende da cultura, das características do país, da política, mas principalmente da economia. Muitos dirão e com razão que tudo depende da política, pois é neste campo que se discute as relações entre os poderes e suas consequências no campo social e finalmente na vida de cada cidadão. Então para ser progressista no campo social há que se permear a política. Nosso jornal desde o seu nascimento teve uma proposta de abertura, ao pensamento espírita, a atuação e participação social, à questão cultural em nosso campo de ação na ruptura com a religião espírita.

Existem movimentos sociais progressistas, que lutam por direitos humanos, como por exemplo no passado pela maior participação feminina, pelo  direito ao divórcio, pela redução das jornadas de trabalho, nem todas ideias de esquerda, mas certamente nenhuma delas de direita, daí talvez a ideia ou vontade da apropriação do conceito progressista pelas esquerdas.

O ABERTURA sempre se posicionou contra os atos de desrespeito aos direitos humanos e aos atos de fé sem raciocínio, sejam eles atos de fé religiosa ou ideológica. Este jornal foi contra a invasão do Afeganistão pelos EUA onde se manifestou formalmente, colocando uma faixa negra escrita paz em branco, em frente ao ICKS, pois foi um ato sem apoio internacional. Mas também não fomos e não seremos  favoráveis a nenhum ataque terrorista, pois somos fundamentalmente a favor da paz.

No momento atual e sempre, nos sentimos à vontade de comentar qualquer ato de corrupção, ativa ou passiva, sem nos preocuparmos por qual partido está por tráz, a corrupção talvez seja o maior mal que devemos nos livrar na sociedade atual. Ele carrega consigo toda uma marginalidade, um desrespeito a todos os cidadões por aqueles que recebem o mandato em seu nome. O ABERTURA defende o voto consciente, sem fazer campanha partidária, que cada um analise e pense em qual candidato melhor representa o seu conjunto de valores.

O ABERTURA possui colunistas que assinam as suas matérias, não fazemos censura, desde que o tema seja espírita ou relevante à sociedade e abordado sob a ótica espírita, ele será publicado, os editoriais em sua grande maioria são publicados sem assinatura por representarem a opinião do Jornal ABERTURA, normalmente escritos pelo seu Editor-chefe, como fazem todos os veículos jornalísticos. 
O nome ABERTURA existe justamente por escrevermos sobre temas que outros jornais espíritas não abordam, revisamos textos de Allan Kardec que precisam ser atualizados, comparamos textos mediúnicos com textos de Allan Kardec para análise, algo que todo espírita deveria fazer, lançamos temas novos, questões sociais, promovemos debates, todo um conjunto de ações em nosso entender progressistas. Temos consciência de manter um canal aberto contra a mesmice e por isto lutamos constantemente para nos atualizarmos.

Recentemente modificamos nosso logotipo, invertendo o B como uma forma de demontrar claramente que devemos olhar para todos os lados, que somos desiguais – aliás vendo esta cadeia de lojas espanhola foi o que nos motivou a mudar o logotipo.

Mantemos o convite permanente aos nossos leitores que nos escrevam, que nos ofereçam a sua posição, através de nosso email ou de nosso blog, onde postamos algumas de nossas matérias e outras questões mais polêmicas, em um meio mais livre como deve ser o ambiente de internet. Temos um grande prazer em publicar as mensagens ou matérias enviadas, além disto promovemos a cada dois anos o Simpósio Brasileiro do Pensamento (livre) Espírita, aberto a qualquer trabalho espírita, sem censura.




O Egoismo - por Raymundo Rodrigues Espelho

                       O  EGOISMO 

 Raymundo Rodrigues Espelho
    espelho@myhands. com.br 
                Campinas

"O egoismo é veneno em nosso coração, sob a máscara de ciume, e fogo em nossa alma, sobe a capa de agressiva revolta". 
               
                    André Luiz / Chico Xavier

  Egoismo: excessivo amor ao bem próprio, sem atender ao dos outros. Pessoa que quer tudo para si mesma, custe o que custar, sem pensar no minimo bem estar do seu semelhante. Pessoa que, no espelho da vida, só enxerga a si mesma.
 Nuca poderia supor que o egoismo, esta chaga terrível da humanidade, fosse tão abrasivo como em nossos dias.
 De todos os males que nos assolam, sem dúvida, o germe do egoismo acarreta problemas tremendos.
 Força demoníaca do egoismo. Tudo vai bem entre os membros de uma família, mas quando surge uma herança, quando surge uma partilha de bens, os elementos daquela família viram bichos ferozes. Por isso mesmo, nosso Mestre Jesus, Psicólogo de alta penetração conseguiu prever, há dois mil anos, a dureza dos corações humanos. E com muita sabedoria, proclamou:   " é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico ingressar no reino dos céus...". Em geral, todo cidadão rico tem um traço acentuado de egoismo. Cristo ao fazer esta assertiva, sabia de antemão, que a parte mais estranhada na personagem do homem, sem dúvida, é o seu forte apego aos bens materiais. Pode se tocar em tudo o que for do homem, mas quando se toca a mão no bolso ou nos seus bens, este se transforma em uma fera de encomenda.
 Sim, meus amigos, tudo isso acontece, ainda, em nossos irmãos que não se deixam bafejar pela  brisa suave dos ensinamentos 
Cristãos. Evangelho, nos lares e nos corações, faz muita falta. Incorporado às ações do homem, torna a criatura  mais fraterna, mais desprendida, mais humana.
 Há, certamente, no coração do homem, um sentimento doce que o inclina ao amor de seus semelhantes, porém, diante dele ergue-se outro sentimento duro e cruel: o egoismo. É preciso que nos esforcemos, cada vez mais, para que o sentimento do Amor acabe vencendo as sombras do egoismo num mundo onde possa reinar a FRATERNIDADE CRISTÃ. A vida adorna mais luminosa e mais feliz. 

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

15° SBPE de 2 a 4 de novembro de 2017 - trabalhos que serão apresentados

Trabalhos que foram apresentados no 15° SBPE
Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita

Trabalho
Autor
Pensamento Sistêmico e o Espiritismo
Alcione Moreno
Somos Progressista? Pesquisa nos jornais Espiritismo e Unificação e Abertura
Grupo de Estudos do ICKS
O Papel dos Espíritas Frente as Questões Sociais e Políticas
Ricardo Nunes
Quem foi Padre Germano?
Marissol Castello Branco
Revisão Sistemática da Literatura e Outras Ferramentas Modernas Para Apoio à Pesquisa Espírita
Mauro Spinola
Jesus, Este Mito que me Atormenta
Marcos Videira
O Senso de Justiça e de Cidadania a Partir do Ethos Espírita.
Jacira Jacinto
Do Discurso à Ação e o Comportamento Espírita
Jaílson Mendonça
Reflexões Acerca do Homem e da Natureza
Ciro Pirondi
Da Crise Moral da Humanidade e a Transição do planeta
José Carlos de Souza
O Desenvolvimento Sustentável Versus o Desenvolvimento Consciente do Espirito
Gustavo Molfino
O Espiritismo que Queremos
Carol Régis di Lucia


O evento ocorreu de 2 a 4 de Novembro de 2017, em Santos -SP

domingo, 1 de outubro de 2017

O Valor de Uma Biblioteca - redação Jornal Abertura

Fazendo a Diferença: O Valor de Uma Biblioteca

Estamos em tempos novos, onde tudo ou quase tudo é digital, as pessoas não querem mais ter bibliotecas e descartam com facilidade os livros que leram. É compreensível, não que todos sejam iguais, mas aqueles que guardam seus livros muitas vezes são chamados de acumuladores.
Mas não foi sempre assim e bibliotecas, tem sim, um papel importante na história do conhecimento humano e em sua universalização.

Com toda a modernidade, computadores,  “smartphones” e “tablets”, a velocidade de aceso a conteúdo livre é enorme, não resta nenhuma dúvida que isto é incrível e que facilita em muito a nossa vida, no entanto, ainda há espaço para o conhecimento impresso. Podemos citar vários exemplos práticos, mesmo em instalações super modernas como plantas de geração de energia, ou centrais nucleares, é impressindível ter os documentos críticos impressos, para os casos de emergência, como falta de energia ou ataque cibernético. Num momento destes os desenhos impressos são os mais indicados.

Na história, principalmente nos séculos XIV e XV quando a civilização européia, pelo contato com os árabes que a estavam invadindo pela península hibérica ou pelos balcãs, puderam voltar a entrar em contato com obras originais gregas, que eram mantidas fora do alcance dos pensadores europeus pela centralização do conhecimento pela Igreja Católica. Ao serem traduzidas, causaram a segunda grande revolução do conhecimento humano, o renascimento. A primeira foi sem dúvida o desenvolvimento da escrita que nos tirou da pré-história. Este conhecimento de obras dadas como perdidas de grandes filósofos gregos, só foi possível pela existência da grande biblioteca de Alexandria, no Egito e por outras menores espalhadas por seus sudanatos.

A importância dada ao conhecimento no oriente contrastava com o que ocorria na Europa no mesmo período, pensar sobre isto hoje, nos demonstra que o livre-pensamento é importantíssimo e que a religião como forma de opressão do pensamento é também capaz de produzir uma inversão cultural entre ocidente o oriente, hoje na área dominada pelo Islã, em muitos países, livros são queimados, por serem considerados impúros, tremenda ironia.

Biblioteca da Cidade do Nova Iorque


É verdade que quase ninguém quer ter, nos dias de hoje enciclopédias, pois a velocidade do crescimento do conhecimento, torna uma obra destas obsoleta muito rapidamente. Para aqueles que cresceram ao lado delas e que gostavam de ler, ou pesquisar nas enciclopédias, sabem bem como era legal descobrir as coisas, ficar maravilhado. Isto, é verdade, não acabou, podemos fazer isto usando os navegadores da internet, apenas precisamos tomar o devido cuidado de verificar as fontes pois dizem que 50% do que está publicado na web é de conteúdo duvidoso.

O mesmo acontece com jornais e revistas que sofrem ao competir com o conteúdo “online”. Nosso jornal necessita buscar o tempo todo por novos leitores, para se manter viável, sites de grandes jornais limitam o acesso ao seu conteúdo online como forma de buscar mais assinantes, ou alguma forma de compensação. Agora qualidade tem preço, bons conteúdos, científicos, para serem acionados é preciso que as pessoas se inscrevam e paguem por isto. As bibliotecas virtuais, profissionais, custam muito dinheiro, pois precisam funcionar 24 horas por dia, 7 dias por semana, com velocidade de busca, ocupando grandes espaços virtuais, que custam dinheiro.

A elaboração de trabalhos científicos, obriga a leitura e referência de artigos confiáveis, recentes, isto seria impossível, nos dias de hoje, se eles não fossem de acesso virtual, no entanto grandes cidades como Nova Iorque, Paris ou São Paulo, possuem grandes bibliotecas reais, com acervos e coleções importantes de livros originais, registros históricos importantíssimos e que não puderam ser digitalizados.

Institutos como o Instituto Cultural Kardecista de Santos, por exemplo, possuem acervo de trabalhos e obras produzidas por seus sócios, bem como uma pequena biblioteca espírita e de assuntos correlatos, para suas pesquisas, possuímos também o acervo completo dos jornais publicados pelos periódicos espíritas Espiritismo e Unificação e Abertura. Pequisadores podem acessar com hora marcada, bastando entrar em contato pelo email do ICKS. Mesmo entre nós, muitos se perguntam, mas por que guardar tudo isto?

A resposta é simples, para que não cometamos os mesmos erros do passado, para manter acesa a chama da busca permanente do conhecimento e do desenvolvimento do livre-pensar.

Artigos importantes de nosso jornal, são publicaos em nosso blog, assim em qualquer lugar do planeta, podem ser lidos, mas não temos recursos suficientes para digitalizar tudo, de uma forma que permita uma consulta por palavras como por exemplo podemos fazer no “google”, mas quem sabe, não possamos um dia vir a ter isto também. Quem sabe usando resumos dos textos que sim poderiam ser encontrados por navegadores e desta forma asceder a uma cópia digital mais simples do artigo.
Na pesquisa que estamos realizando para o trabalho do ICKS no 15° SBPE, coletamos muito material, digitalizamos e em algum momento poderemos disponibilizar. São artigos relativos a assuntos onde nosso grupo de pensadores tem demonstrado serem progressistas.

Jornais são também marcadores do tempo. Pensem nisso. Só não se esqueçam de um pequeno detalhe, para que tudo isso seja viável, há que ter gente que o faça.

Nota: Artigo publicado no Jornal Abertura - Agosto de 2017