domingo, 5 de novembro de 2017

15° SBPE Sucesso de Sempre

15° SBPE –  um simpósio que olha para o futuro

Foram  dois anos de preparação que se realizou em uma festa de conhecimento, amor e amizade. Mais de 70 pessoas puderam comparecer e desfrutar desta tertúlia espírita kardecista. Estiveram reunidos de 2 a 4 de novembro, nas dependências do Colégio Angelus Domus, apoiador cultural do Jornal Abertura.
Fotos de uma parte do grupo presente




Roberto Rufo deu as boas vindas a todos
A abertura do evento foi feita pelo Presidente do ICKS, Roberto Rufo que agradesceu a presença de todos e desejou que pudessemos realizar um excelente evento. A seguir para dar a conotação deste simpósio de transformar ideias ( lâmpada) em amor ( coração), como expresso no cartaz de boas vindas. A organização do evento apresentou duas músicas através de animações no data show.
What a wonderful world - cantada por Israel Kamakawrwo’ole, havaiano já desencarnado e mostrando imagens da abertura do documentário – Planeta Azul – da BBC, que clama pelo respeito a diversidade da vida selvagem e sua preservação.

Perhaps Love – Cantada por Plácido Domingo e John Denver – com uma animação sobre o amor de uma criança pelos seus sonhos.


Após esta abertura artística, tivemos a apresentação do trabalho do ICKS - Somos Progressistas? – que focou a cargo de Alexandre Cardia Machado representar todo o grupo de estudos do ICKS.
A pesquisa realizada pelo grupo de estudos do ICKS – formado por 10 pessoas, Alexandre Cardia Machado, Antonio Ventura, Cláudia Régis Machado, Lizette Silva Saldanha Conde, Lucy Régis Conde, do lar,Maria de Lourdes Rodrigues Silva, Mauricy Antonio da Silva, Palmyra Coimbra Régis, Roberto Luiz Rufo e Silva, Valéria Régis e Silva. Buscava responder a pregunta proposta no título, através de uma pesquisa em todos os números do Jornal Espiritismo e Unificação e Jornal Abertura. Ao todo 420 artigos foram revisados sobre temas que hoje se constituem atividades foco do progressismo social.

Coquetel de abertura:

Um tradicional coquetel foi oferecido aos participantes do 15°SBPE, pois apesar de todas as multiplas atividades que todo este grupo tem, conseguir estar aqui, muitos pela 15ª vez é algo a comemorar, são 28 anos de história, desde o remoto ano de 1989, onde começamos esta jornada.


Sexta-feira 3 de novembro - segundo dia do evento.


Primeira palestra: Da crise moral da humanidade a transição do planeta   - pelo Engenheiro José Carlos de Souza. O tema discorre sobre o momento do planeta Terra da hipótese de transição planetária, que só ocorrerá através do esforço pessoal de cada espírito encarnado na Terra, ainda que o mundo dos Espíritos nos envie mensajeiros mais evoluídos para nos influenciar.


José Carlos de Souza a direita e Marco Videira dividiram o primeiro bloco de sexta-feira



A segunda palestra foi proferida pelo Administrador de Empresas Marco Videira que apresentou seu trabalho - Jesus, este mito que me atormenta. Videira percorreu os caminhos da criação do mito “ Jesus x Cristo”, tendo ele nascido católico e se tornado espírita, pode ver muito bem as diferenças na visão espírita e em especial na visão laica espírita. Todos os apresentadores do SBPE tiveram 30 minutos para apresentar seus trabalhos e a cada bloco, 20 minutos foram dedicados a responder perguntas formuladas pelos presentes.


Intervalos – coffe-breake

Este é um momento muito esperado nos simpósios, pois é o momento de conversar, fazer contatos, aprofundar a amizade, foram váriso durante o evento.

Muita conversa, compra de livros e animação


Segundo bloco: O senso de justiça e de cidadania a partir do ethos espírita por Jacira Jacinto da Silva e Quem foi padre Germano? Por Marissol Castelo Branco, coordenadas por Cláudia Régis Machado.

Jacira, Marissol e Cláudia

Neste bloco pudemos saborear dois trabalhos com objetos bem distintos, Jacira propõe uma nova Justiça, baseada numa visão mais social em suas palavras:

 Houve um passeio por alguns conceitos básicos da filosofia espírita com o fito de suscitar a indagação sobre a relação que temos mantido, a despeito do convívio com essas lições, com as questões relacionadas com justiça e cidadania, e uma suposta ética construída com base nesses postulados. 
Uma tímida investigação à visão contemporânea de direito/justiça permitiu questionar a possibilidade de desconstruir as velhas bases sobre as quais se sustenta a Justiça ainda nos tempos atuais.
O estudo da ética limitou-se a parcas pesquisas que mais serviram a compreender o significado da palavra e algo sobre a construção do conceito do ponto de vista social e jurídico, abrindo a possibilidade de trabalhar as contribuições trazidas pela filosofia espírita, em especial os principais parâmetros extraídos das Leis Morais de O Livro dos Espíritos.”

Marissol faz uma pesquisa sobre a vida do Padre Germano, em suas palavras:

Sempre houve a preocupação em comprovar a imortalidade da alma e a comunicabilidade com os espíritos encarnados e desencarnados através do mecanismo da mediunidade. Muitos livros são escritos através da mediunidade onde um espírito desencarnado é o autor, mas não há como saber com certeza se realmente foi um espírito desencarnado ou apenas uma manifestação anímica.
Um padre católico francês com o pseudônimo Germano escreveu vários capítulos de um romance de maneira mediúnica na Espanha anos após a sua morte. Contou episódios de sua última existência onde as circunstâncias na qual se encontrava não o permitiram revelar a verdade enquanto encarnado. Apesar do cuidado em não revelar os nomes verdadeiros das pessoas, às vezes, deixava escapar o nome de uma cidade e descrevia cenários e locais que ainda hoje foram preservados.
Nesse trabalho procurei encontrar qual personagem verdadeiro na história francesa que pudesse coincidir com os relatos do espírito Germano em “Memórias do padre Germano”. Após a identificação, levantei várias biografias que se fizeram ao longo dos séculos XIX e XX sobre o pároco francês. E após essa garimpagem pude encontrar muitas coincidências que levaram a uma mesma personalidade: o Cura de Ars.”


Terceiro bloco – aquí tivemos duas apresentações muito interesantes sobre os temas: “Reflexões acerca do Homem e da Natureza” pelo arquiteto Ciro Pirondi e Ricardo de Moreas Nunes – “O papel dos espíritas frente as questões sociais e políticas”.


Ciro Pirondi de pé e Ricardo Nunes sentado

De Ciro extraímos este parágrafo de seu trabalho:

“Nós temos de surpreender a natureza, inventar coisas a partir de sua contemplação, como se a víssemos pela primeira vez. Como dizia o poeta T.S. Eliot:
“– Não deixaremos de explorar. E o fim de toda a nossa exploração será chegar aonde começamos. E conhecer o lugar pela primeira vez (...)”.

Penso ser a ideia contínua e itinerante da vida um saber de fronteiras, uma forma peculiar de construção de esperança e paz. Ao mesmo tempo, uma inquietação e uma responsabilidade, pois há um só tempo estamos mergulhados, em um presente contínuo perpétuo, nos relacionamos com o passado e com o futuro, inevitavelmente, neste presente.”

Ricardo reflete sobre a necessidade de trazer para dentro das casas espíritas as discussões sobre que país queremos:
“É evidente, como já foi dito anteriormente neste artigo, que a corrupção é um câncer que fragiliza o organismo social e deve ser combatido sem trégua.
Porém, defendo nesta reflexão que talvez este não seja o maior problema da vida social brasileira no momento. Entendo que o fortalecimento do neoliberalismo com a sua insaciável busca de destruição do chamado Estado de bem-estar social, que foi uma conquista importante da humanidade no século XX, é o principal perigo que vivem as sociedades do Brasil e do mundo no momento. E este perigo normalmente é silenciado nos principais meios de comunicação.
Finalmente, pensar o neoliberalismo é pensar o capitalismo em sua face mais agressiva. E esta reflexão nos leva necessariamente a uma questão mais profunda. Chegamos ao fim da história? O sistema capitalista de produção é o que de melhor a humanidade pode atingir? Devemos nos conformar com a eterna separação entre uma pequena minoria de incluídos e uma grande maioria de excluídos dos benefícios da civilização? Um dia teremos um mundo sem explorados e exploradores? Neste início do século XXI este mundo melhor é uma utopia, mas muitas vezes a utopia de hoje se torna a realidade de amanhã”.


Quarto bloco


Neste bloco a médica Alcione Moreno a o Engenheiro Agrônomo Argentino Gustavo Molfino apresentaram respectivamente os seguintes temas: “Pensamento Sistêmico e Espíritismo” e “Desenvolvimento sustentável x desenvolvimento consciente”.




Roberto Rufo coordenando Alcione e Gustavo


Alcione nos proporcionou refletir sobre o pensamento sistémico, apenas uma gota de seu trabalho para degustação:
De acordo com a visão sistêmica, as propriedades essenciais de um organismo, ou sistema vivo, são propriedades do todo, propriedades que nenhuma das partes possui. Elas surgem das interações e relações entre as partes. Estas partes não são isoladas, e a natureza do todo é sempre diferente da mera soma das suas partes.
Desta forma podemos pensar na integração do meio físico com o extra físico, ou como nos ensina Kardec do mundo corpóreo para o incorpóreo, do plano físico e do plano espiritual, tudo se integra numa grande rede, a Teia da Vida.
Esta teia consiste em redes dentro de redes, vida corpórea e vida espiritual integrada e ligada uma as outras, interagindo com outros sistemas.
Utilizei também como referência bibliográfica a autora Ana Maria Llamazares, numa tradução livre de minha parte.
Minha pretensão é que possamos entender o pensamento sistêmico e colocar o Espiritismo nesta grande teia da vida, pois o espírito é imortal, tudo está conectado, em conexão, em contínuo aprendizado, contínua modificação, contínua evolução”.

Gustavo Molfino, em espanhol nos trouxe sua visão sobre o desenvolvimento consciente, sua apresentação foi traduzida para o portugues por Jaílson Mendonça, extraímos:

“O desafio é importante e compremete toda a humanidade, seu resultado determinará o destino comum de nossa espécie e dos que dividem o planeta conosco.
Como seres pensantes e espíritos com esperiência encarnatória nos corresponde tomar nossas próprias decisões, elas determinarão o ritmo de nosso progresso, a qualidade e profundidade de nossa mudança moral e em definitivo refletirão nossa própria capacidade de adaptação às condições que se impõe neste plano.
Este grande aporte que recebemos do mundo espiritual nesta tarefa é sem dúvida, a força e energía do amor universal que está ao nosso lado, impulsionando e motivando a renovação e o progresso.
Sejamos sábios, apliquemos este precioso conhecimento espírita que nos foi deixado e analizemos sem  prejuizo a complexa realidade, este mundo que nos cabe moldar, respeitar, cuidar e melhorar”.


 Mesa Redonda

Espiritismo Livre-pensador na prática. Convidados: Reinaldo di Lucia, Roberto Rufo, Ademar Chioro dos Reis, Homero Ward




Roberto Rufo – Homero Ward – Reinaldo di Lucia – Ademar dos Reis

Mesa Redonda

Espiritismo Livre-pensador na prática. Convidados: Reinaldo di Lucia, Roberto Rufo, Ademar Chioro dos Reis, Homero Ward



Foi um execelente momento onde pensamos o futuro do nosso movimento, no campo prático, uma dicussão que apenas inicia. Várias foram as propostas que precisarão ser mais exploradas, quem sabe em Foruns do Livre-Pensar.

Um momento interessante foi a fila de pessoas que queriam fazer perguntas, ou propor assuntos.


Roseli Régis – Mauro Spinola – Ciro Pirondi – Jacira Jacinto – Sandra Chioro


3° dia – Primeiro bloco

No último dia tivemos 3 trabalhos sendo apresentados num mesmo bloco, seguido do encerramento do evento.

O Espiritismo que queremos – por Caról Regis di Lucia, uma oficina sobre - Revisão sistemática da literatura e outras ferramentas modernas para apoio à pesquisa espírita por Mauro Spínola e do discurso à ação e o comportamento Espírita por Jaílson Mendonça.



Carol – Mauro - Jaílson

Caról Regis assim descreveu a motivação que lhe acometeu para desenvolver este exercício.

Foi uma constante inquietação que norteou as bases para o surgimento deste trabalho. Um sentimento não recente, fruto de vivências, observações, diálogos, leituras, alimentado por um olhar sobre o Espiritismo pratico diário, as casas, os Espíritas, as relações, as instituições. Uma observação filosófica sobre o caminho que estamos trilhando, com um amedrontado vislumbre do caminho que temos pela frente. Qual o foco do Espiritismo atual? E, principalmente, qual foco ele deveria ter daqui pra frente?

As respostas a esses questionamentos passam por inúmeros pontos: a Doutrina em si, sua tão necessária atualização, seus pontos imutáveis (ou não), a comunicação usada para transmiti-la, o comportamento – em grupo e individual – daqueles que escolheram o Espiritismo como filosofia a ser seguida, o planejamento para as próximas décadas e o trabalho com as próximas gerações. Mas passa, principalmente, por um ajustar de lentes, uma definição de foco sobre um tema imediato, urgente e aparentemente generalizada: a retomada da humanização do Espiritismo, colocar o Espírito encarnado como personagem principal da prática doutrinaria”.

Mauro Spínola nos trouxe uma introdução aos métodos modernos de pesquisa de textos, imprescindível para trabalhos científicos e que pode sim, ser usado no espiritismo na produção de trabalhos.

“Revisão sistemática da literatura como instrumento de pesquisa com temática espírita. Crescentemente utilizado nas várias áreas da ciência, a revisão sistemática contribui para compreender o estado da arte de uma área ou um tópico de conhecimento, com base em pesquisas qualificadas já realizadas e publicadas.
Inicialmente, é a apresentada a discutido o método de revisão sistemática. Em seguida, é discutida a sua aplicação em pesquisa espírita. Um exemplo é apresentado, visando a compreender o processo e os seus potenciais resultados.
O estudo é inicial e deixa várias questões em aberto, em especial as relacionadas com a aplicação prática do método, mas contribui para que se possa avaliar o potencial desse método para o conhecimento espírita”.

Jaílson Mendonça inicia desta forma seu trabalho:

“Consideramos interessante a capacidade que temos de nos indignar momentaneamente quando recebemos uma notícia ou um post nas redes de informação em especial as sociais, as quais muitas vezes nos causam tristeza, revolta mesmo, enquanto em outros nos levam à reflexão sobre nossa própria vida, valores, potencialidades e limitações.
Em alguns casos no sentido positivo, nos embebêssemos de uma vontade que antes não estava presente, como se fora um impulso, um pensar o que não havíamos pensado, um querer assumir e acreditar que somos capazes de realizar. Em outros, no sentido negativo, nos sentimos fragilizados, as vezes impotentes, mas que nos incita pra fazer, mudar, realizar, mas que no geral se vai esvaindo e voltamos ao nosso estado de ser tentando nos conformar de que não podemos fazer mais do que já estamos fazendo. Será?!”.

Este espaço não permite a reprodução de todos os trabalhos apresentados, são mais de 240 páginas, mas se você tem interesse em ler na sua forma integral, entre em contato com o ICKS.





Redação Jornal Abertura 



segunda-feira, 16 de outubro de 2017

As mulheres continuam morrendo. Deixam filhos. Alguém está preocupado? por Roberto Rufo

As mulheres continuam morrendo. Deixam filhos. Alguém está preocupado?


Em Reportagem Especial do Jornal O Estado de São Paulo de nome "Os Órfãos do Feminicídio"  somos informados que em pelo menos dois terços dos casos de feminicídio, a mulher assassinada é mãe. Na maioria das vezes deixa dois filhos e em 34% dos casos , pelo menos três. Os dados são de um estudo da Universidade Federal do Ceará que acompanha um grupo de 10 mil famílias vítimas de violência em nove Estados do Nordeste. O trabalho está sendo ampliado para mais quatro Estados : Rio Grande do Sul , Goiás, Pará e São Paulo. O número de órfãos , vítimas do feminicídio, deve aumentar significativamente quando esses dados tiverem sido coletados. Pode-se afirmar isso com uma certeza quase absoluta, pois o número de mulheres mortas em São Paulo bateu recorde em Agosto/2017.

Alguém está preocupado? O Judiciário está preocupado? Os nossos legisladores, em sua maioria homens , estão preocupados ou no momento o importante é salvar suas cabeças?

O Espiritismo jamais aceitará qualquer tipo de teoria que coloque a mulher em situação de inferioridade em relação ao homem. Como dizem os espíritos, somente entre homens pouco avançados do ponto de vista moral a força faz o direito. A instituições tais como a FEESP, a FEB, a USE e a CEPA estão preocupadas com esse quadro assustador do feminicídio? Já se manifestaram oficialmente em defesa da mulher? Se não o fizeram correm o risco de serem confundidas com as religiões neopentecostais, representadas por um pastor que ouvi um dia desses na televisão dizendo que a mulher não foi feita do pé do homem para estar debaixo dos seus calcanhares, contudo não foi feita da cabeça do homem para terem posição de mando no matrimônio . Foram feitas da costela do homem, diz o pastor, para ficarem numa posição subalterna a do homem . Aí fica difícil lutarem contra o feminicídio , que ao mais da vezes são consequência de posições independentes assumidas por algumas mulheres corajosas. Muitas pagam caro por isso. 


                                                                                                                                           Roberto Rufo .

                                        

sábado, 7 de outubro de 2017

Ser Progressista - por Alexandre Cardia Machado

Ser progressista
A discussão em torno deste tema tem tomado conta do Grupo de Estudos do ICKS, em preparação para o nosso trabalho a ser apresentado no SBPE. Para tanto nos propusemos a analisar os jornais Espiritismo e Unificação e o nosso Abertura buscando temas que tem sido  caracterizados como frentes progressistas. Demonstraremos no SBPE que o Espiritismo é sim progressista e nossos veículos de comunicação o são em grau maior.


Esta questão se faz importante num momento em que a humanidade alcança avanços impressionantes em todos os campos de conhecimento, a ciência a cada dia nos tráz novidades, a medicina, a internet, os meios de comunicação. No campo das questões sociais nos parece que o avanço é mais lento, pois esbarra em alguns pontos que gostaríamos de discutir aqui.

O progresso social depende da cultura, das características do país, da política, mas principalmente da economia. Muitos dirão e com razão que tudo depende da política, pois é neste campo que se discute as relações entre os poderes e suas consequências no campo social e finalmente na vida de cada cidadão. Então para ser progressista no campo social há que se permear a política. Nosso jornal desde o seu nascimento teve uma proposta de abertura, ao pensamento espírita, a atuação e participação social, à questão cultural em nosso campo de ação na ruptura com a religião espírita.

Existem movimentos sociais progressistas, que lutam por direitos humanos, como por exemplo no passado pela maior participação feminina, pelo  direito ao divórcio, pela redução das jornadas de trabalho, nem todas ideias de esquerda, mas certamente nenhuma delas de direita, daí talvez a ideia ou vontade da apropriação do conceito progressista pelas esquerdas.

O ABERTURA sempre se posicionou contra os atos de desrespeito aos direitos humanos e aos atos de fé sem raciocínio, sejam eles atos de fé religiosa ou ideológica. Este jornal foi contra a invasão do Afeganistão pelos EUA onde se manifestou formalmente, colocando uma faixa negra escrita paz em branco, em frente ao ICKS, pois foi um ato sem apoio internacional. Mas também não fomos e não seremos  favoráveis a nenhum ataque terrorista, pois somos fundamentalmente a favor da paz.

No momento atual e sempre, nos sentimos à vontade de comentar qualquer ato de corrupção, ativa ou passiva, sem nos preocuparmos por qual partido está por tráz, a corrupção talvez seja o maior mal que devemos nos livrar na sociedade atual. Ele carrega consigo toda uma marginalidade, um desrespeito a todos os cidadões por aqueles que recebem o mandato em seu nome. O ABERTURA defende o voto consciente, sem fazer campanha partidária, que cada um analise e pense em qual candidato melhor representa o seu conjunto de valores.

O ABERTURA possui colunistas que assinam as suas matérias, não fazemos censura, desde que o tema seja espírita ou relevante à sociedade e abordado sob a ótica espírita, ele será publicado, os editoriais em sua grande maioria são publicados sem assinatura por representarem a opinião do Jornal ABERTURA, normalmente escritos pelo seu Editor-chefe, como fazem todos os veículos jornalísticos. 
O nome ABERTURA existe justamente por escrevermos sobre temas que outros jornais espíritas não abordam, revisamos textos de Allan Kardec que precisam ser atualizados, comparamos textos mediúnicos com textos de Allan Kardec para análise, algo que todo espírita deveria fazer, lançamos temas novos, questões sociais, promovemos debates, todo um conjunto de ações em nosso entender progressistas. Temos consciência de manter um canal aberto contra a mesmice e por isto lutamos constantemente para nos atualizarmos.

Recentemente modificamos nosso logotipo, invertendo o B como uma forma de demontrar claramente que devemos olhar para todos os lados, que somos desiguais – aliás vendo esta cadeia de lojas espanhola foi o que nos motivou a mudar o logotipo.

Mantemos o convite permanente aos nossos leitores que nos escrevam, que nos ofereçam a sua posição, através de nosso email ou de nosso blog, onde postamos algumas de nossas matérias e outras questões mais polêmicas, em um meio mais livre como deve ser o ambiente de internet. Temos um grande prazer em publicar as mensagens ou matérias enviadas, além disto promovemos a cada dois anos o Simpósio Brasileiro do Pensamento (livre) Espírita, aberto a qualquer trabalho espírita, sem censura.




O Egoismo - por Raymundo Rodrigues Espelho

                       O  EGOISMO 

 Raymundo Rodrigues Espelho
    espelho@myhands. com.br 
                Campinas

"O egoismo é veneno em nosso coração, sob a máscara de ciume, e fogo em nossa alma, sobe a capa de agressiva revolta". 
               
                    André Luiz / Chico Xavier

  Egoismo: excessivo amor ao bem próprio, sem atender ao dos outros. Pessoa que quer tudo para si mesma, custe o que custar, sem pensar no minimo bem estar do seu semelhante. Pessoa que, no espelho da vida, só enxerga a si mesma.
 Nuca poderia supor que o egoismo, esta chaga terrível da humanidade, fosse tão abrasivo como em nossos dias.
 De todos os males que nos assolam, sem dúvida, o germe do egoismo acarreta problemas tremendos.
 Força demoníaca do egoismo. Tudo vai bem entre os membros de uma família, mas quando surge uma herança, quando surge uma partilha de bens, os elementos daquela família viram bichos ferozes. Por isso mesmo, nosso Mestre Jesus, Psicólogo de alta penetração conseguiu prever, há dois mil anos, a dureza dos corações humanos. E com muita sabedoria, proclamou:   " é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico ingressar no reino dos céus...". Em geral, todo cidadão rico tem um traço acentuado de egoismo. Cristo ao fazer esta assertiva, sabia de antemão, que a parte mais estranhada na personagem do homem, sem dúvida, é o seu forte apego aos bens materiais. Pode se tocar em tudo o que for do homem, mas quando se toca a mão no bolso ou nos seus bens, este se transforma em uma fera de encomenda.
 Sim, meus amigos, tudo isso acontece, ainda, em nossos irmãos que não se deixam bafejar pela  brisa suave dos ensinamentos 
Cristãos. Evangelho, nos lares e nos corações, faz muita falta. Incorporado às ações do homem, torna a criatura  mais fraterna, mais desprendida, mais humana.
 Há, certamente, no coração do homem, um sentimento doce que o inclina ao amor de seus semelhantes, porém, diante dele ergue-se outro sentimento duro e cruel: o egoismo. É preciso que nos esforcemos, cada vez mais, para que o sentimento do Amor acabe vencendo as sombras do egoismo num mundo onde possa reinar a FRATERNIDADE CRISTÃ. A vida adorna mais luminosa e mais feliz. 

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

15° SBPE de 2 a 4 de novembro de 2017 - trabalhos que serão apresentados

Trabalhos que foram apresentados no 15° SBPE
Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita

Trabalho
Autor
Pensamento Sistêmico e o Espiritismo
Alcione Moreno
Somos Progressista? Pesquisa nos jornais Espiritismo e Unificação e Abertura
Grupo de Estudos do ICKS
O Papel dos Espíritas Frente as Questões Sociais e Políticas
Ricardo Nunes
Quem foi Padre Germano?
Marissol Castello Branco
Revisão Sistemática da Literatura e Outras Ferramentas Modernas Para Apoio à Pesquisa Espírita
Mauro Spinola
Jesus, Este Mito que me Atormenta
Marcos Videira
O Senso de Justiça e de Cidadania a Partir do Ethos Espírita.
Jacira Jacinto
Do Discurso à Ação e o Comportamento Espírita
Jaílson Mendonça
Reflexões Acerca do Homem e da Natureza
Ciro Pirondi
Da Crise Moral da Humanidade e a Transição do planeta
José Carlos de Souza
O Desenvolvimento Sustentável Versus o Desenvolvimento Consciente do Espirito
Gustavo Molfino
O Espiritismo que Queremos
Carol Régis di Lucia


O evento ocorreu de 2 a 4 de Novembro de 2017, em Santos -SP

domingo, 1 de outubro de 2017

O Valor de Uma Biblioteca - redação Jornal Abertura

O Valor de Uma Biblioteca

Estamos em tempos novos, onde tudo ou quase tudo é digital, as pessoas não querem mais ter bibliotecas e descartam com facilidade os livros que leram. É compreensível, não que todos sejam iguais, mas aqueles que guardam seus livros muitas vezes são chamados de acumuladores.
Mas não foi sempre assim e bibliotecas, tem sim, um papel importante na história do conhecimento humano e em sua universalização.

Com toda a modernidade, computadores,  “smartphones” e “tablets”, a velocidade de aceso a conteúdo livre é enorme, não resta nenhuma dúvida que isto é incrível e que facilita em muito a nossa vida, no entanto, ainda há espaço para o conhecimento impresso. Podemos citar vários exemplos práticos, mesmo em instalações super modernas como plantas de geração de energia, ou centrais nucleares, é impressindível ter os documentos críticos impressos, para os casos de emergência, como falta de energia ou ataque cibernético. Num momento destes os desenhos impressos são os mais indicados.

Na história, principalmente nos séculos XIV e XV quando a civilização européia, pelo contato com os árabes que a estavam invadindo pela península hibérica ou pelos balcãs, puderam voltar a entrar em contato com obras originais gregas, que eram mantidas fora do alcance dos pensadores europeus pela centralização do conhecimento pela Igreja Católica. Ao serem traduzidas, causaram a segunda grande revolução do conhecimento humano, o renascimento. A primeira foi sem dúvida o desenvolvimento da escrita que nos tirou da pré-história. Este conhecimento de obras dadas como perdidas de grandes filósofos gregos, só foi possível pela existência da grande biblioteca de Alexandria, no Egito e por outras menores espalhadas por seus sudanatos.

A importância dada ao conhecimento no oriente contrastava com o que ocorria na Europa no mesmo período, pensar sobre isto hoje, nos demonstra que o livre-pensamento é importantíssimo e que a religião como forma de opressão do pensamento é também capaz de produzir uma inversão cultural entre ocidente o oriente, hoje na área dominada pelo Islã, em muitos países, livros são queimados, por serem considerados impúros, tremenda ironia.

Biblioteca da Cidade do Nova Iorque


É verdade que quase ninguém quer ter, nos dias de hoje enciclopédias, pois a velocidade do crescimento do conhecimento, torna uma obra destas obsoleta muito rapidamente. Para aqueles que cresceram ao lado delas e que gostavam de ler, ou pesquisar nas enciclopédias, sabem bem como era legal descobrir as coisas, ficar maravilhado. Isto, é verdade, não acabou, podemos fazer isto usando os navegadores da internet, apenas precisamos tomar o devido cuidado de verificar as fontes pois dizem que 50% do que está publicado na web é de conteúdo duvidoso.

O mesmo acontece com jornais e revistas que sofrem ao competir com o conteúdo “online”. Nosso jornal necessita buscar o tempo todo por novos leitores, para se manter viável, sites de grandes jornais limitam o acesso ao seu conteúdo online como forma de buscar mais assinantes, ou alguma forma de compensação. Agora qualidade tem preço, bons conteúdos, científicos, para serem acionados é preciso que as pessoas se inscrevam e paguem por isto. As bibliotecas virtuais, profissionais, custam muito dinheiro, pois precisam funcionar 24 horas por dia, 7 dias por semana, com velocidade de busca, ocupando grandes espaços virtuais, que custam dinheiro.

A elaboração de trabalhos científicos, obriga a leitura e referência de artigos confiáveis, recentes, isto seria impossível, nos dias de hoje, se eles não fossem de acesso virtual, no entanto grandes cidades como Nova Iorque, Paris ou São Paulo, possuem grandes bibliotecas reais, com acervos e coleções importantes de livros originais, registros históricos importantíssimos e que não puderam ser digitalizados.

Institutos como o Instituto Cultural Kardecista de Santos, por exemplo, possuem acervo de trabalhos e obras produzidas por seus sócios, bem como uma pequena biblioteca espírita e de assuntos correlatos, para suas pesquisas, possuímos também o acervo completo dos jornais publicados pelos periódicos espíritas Espiritismo e Unificação e Abertura. Pequisadores podem acessar com hora marcada, bastando entrar em contato pelo email do ICKS. Mesmo entre nós, muitos se perguntam, mas por que guardar tudo isto?

A resposta é simples, para que não cometamos os mesmos erros do passado, para manter acesa a chama da busca permanente do conhecimento e do desenvolvimento do livre-pensar.

Artigos importantes de nosso jornal, são publicaos em nosso blog, assim em qualquer lugar do planeta, podem ser lidos, mas não temos recursos suficientes para digitalizar tudo, de uma forma que permita uma consulta por palavras como por exemplo podemos fazer no “google”, mas quem sabe, não possamos um dia vir a ter isto também. Quem sabe usando resumos dos textos que sim poderiam ser encontrados por navegadores e desta forma asceder a uma cópia digital mais simples do artigo.
Na pesquisa que estamos realizando para o trabalho do ICKS no 15° SBPE, coletamos muito material, digitalizamos e em algum momento poderemos disponibilizar. São artigos relativos a assuntos onde nosso grupo de pensadores tem demonstrado serem progressistas.

Jornais são também marcadores do tempo. Pensem nisso. Só não se esqueçam de um pequeno detalhe, para que tudo isso seja viável, há que ter gente que o faça.

Nota: Artigo publicado no Jornal Abertura - Agosto de 2017


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

O Futuro do Movimento que Queremos Construir - por Alexandre Cardia Machado

Na edição de Junho de 2017, publicamos na página 8 do jornal um artigo chamado “ O Futuro do Espiritismo” que tratava do dilema que sempre ocorre, quando estamos envolvidos num trabalho intensamente e paramos para pensar, se o mesmo terá continuidade.

Repito abaixo o último parágrafo do artigo, lembrando ao leitor que já não possui mais o jornal do mês passado que poderá econtrar o texto completo no blog do ICKS.

“... Também temos receio do que acontecerá com nosso movimento livre-pensador, não vemos muitos jovens. Tememos que termine em 20, 30 anos. Mas a análise da história nos permite dizer que prosperará, encontraremos formas de chegar aos mais jovens, certamente aparecerão muitas coisas diferentes, novas mideas, novas formas de atingí-los.

Este é o grande desafio do momento, penetrar na mente e no coração dos mais jovens, trazê-los para as ações espíritas, em nosso grupo, em especial,  para o pensar espírita.”

Buscando algumas respostas a como fazer com que aparecem coisas diferentes e que motivem o ingresso de novos pensadores na nossa cadeia produtora de ideias, chegamos a alguns pontos que precisam ser explorados:

- Como penetrar na mente e nos corações dos jovens para trazê-los para dentro do movimento?

- Como seria um Centro Espírita moderno, reinventado? - Na década de 90 do século passado, mudamos muitas de nossas casa de Centros Espíritas para Centros de Cultura Espírita, este modêlo pode ser considerado um modêlo de sucesso?

- O ICKS durante 10 anos, por ter tido uma localização favorável, em uma avenida de grande movimento, na cidade de Santos, buscou disseminar a ideia Espírita laica, através de cursos voltados para simpatizantes espíritas, foram mais de 500 pessoas que passaram por nossas salas. Qual o resultado prático disto no fortalecimento de nosso grupo?

- Desde 1995, quando no IV SBPE um grupo gaúcho apresentou uma metodologia nova, chamada Estudo Problematizador” uma onda de reuniões de estudos centradas em grupos similares a este se espalhou por casas espíritas livre-pensadoras, passou-se a discutir tudo, questionar tudo, aprofundar tudo, mas não obtivemos uma maior participação jóvem neste modêlo, por que?

Mais recentemente o ICKS demonstrou que é possível desenvolver trabalhos de pesquisa, profundos, bem elaborados por grupos formados com pessoas acima de 70 anos, destacamos dois trabalhos importantes produzidos: Um caderno Cultural - Análise da evolução do conceito de Reencarnação ao longo das obras de Allan Kardec, apresentado inicialmente no XXI Congresso da CEPA em Santos e que viorou Caderno Cultural. A seguir produzimos “Pode o Espiritismo ser considerado Ciência da Alma? Uma análise epistemológica da  proposta do pensador espírita Jaci Régis “ apresentado no 13° SBPE. Se conseguimos fazer isto com um grupo de maior idade, o que nos limita, por que não temos a mesma produção dos jóvens de mocidades?

Vou arriscar um pouco de conceitos gerencias aqui, nosso movimento livre-pensador é eminentemente livre, desconectado, feito à partir de inicitivas isoladas e em muitos casos individuais, nos falta coordenação e planejamento estratégico.

Os Centros Espíritas são realmente células autônomas e pertanto não se engajam muito em atividades municipais ou estaduais, não tem um cronograma de ações conjuntas, entende-se isto pois saímos exatamente de entidades federativas, para termos mais liberdade, portanto este movimento um tanto caótico é uma característica deste tipo de grupo semi-autônomo.

Consequência imediata do modêlo atual é a falta de incentivos aos jóvens para que troquem experiências entre grupos, a exemplo das antigas confreternizações como a COMELESPs, no caso do leste do estado de São Paulo. Onde os jóvens iam apresentar temas e discutir as ideias então em moda. Foram anos de abertura mental no Brasil. Nosso momento atual não é menos provocador, mas nos faltam mecanismos de concentração e discussão para jóvens.

Nos anos 80 e 90 do século passado, nasceram os debates sobre aborto, homosexualismo, liberdade da mulher, ser ou não ser religião, divórcio, toda uma gama de assuntos de vanguarda hoje totalmente incorporados nas leis e nas práticas cotidianas, quais são as discussões atuais que motivarão os jóvens?

A CEPA, em sua gestão passada fez um grande exercício de Planejamento Estratégico que terminou por implantar apenas um capítulo – destinado a descentralização, o que permitiria uma maior velocidade de tomada de decisão, mas acreditamos que questões centrais como a que propomos aqui, de como seremos em 10, 20 ou 30 anos não tem um forum de discussão e por conseguinte, nenhuma ação coordenada é tomada. A CEPA hoje se concentra na realização de eventos, o que é importante para despertar as pessoas e fazê-las pensar mas não é sufuciente para disseminar ações novas e/ou para gerar novos pensadores.


O 15° Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita irá propor esta discussão, através de uma Mesa Redonda. Você leitor que comparecerá ao evento, traga as suas questões e propostas.

Artigo publicado no Jornal ABERTURA agosto de 2017