quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Gente que Faz - Maestro João Carlos Gandra da Silva Martins História de superação: por Alexandre Cardia Machado

 

Maestro João Carlos Gandra da Silva Martins História de superação:

João Carlos Gandra da Silva Martins é um pianista e maestro brasileiro. Seu trabalho como pianista é reconhecido mundialmente, especialmente suas gravações das obras de Bach. É irmão do jurista Ives Gandra Martins e do pianista José Eduardo Martins. Nasceu em 25 de junho de 1940, tendo no momento 79 anos.

Retiro dados de uma reportagem da revista IstoÉ: Desde 1998, uma doença e vários acidentes foram comprometendo as mãos do maestro João Carlos Martins, a ponto de fazerem com que ele parasse de tocar piano. A despedida, porém, não foi definitiva — graças a luvas especiais, os dedos do aclamado músico puderam reencontrar as teclas.

“Minha luta se tornou ainda maior quando percebi o reconhecimento do meu passado na imprensa internacional”, disse Martins à AFP durante entrevista no seu apartamento em São Paulo, antes de tocar algumas notas em seu piano Petrof.

A motivação foi recompensada. Prestes a completar 80 anos, Martins comemorará em outubro os 60 anos da sua primeira apresentação no Carnegie Hall, um concerto em Nova York.

 “Sou perfeccionista. João Gilberto e eu, a gente dava se muito bem, um pior que o outro”, brinca o maestro, em referência a conhecida meticulosidade do pai da Bossa Nova.

Em seu caminho há dores e glórias. Martins enfrentou as consequências de uma distonia focal, uma enfermidade neurológica que altera as funções musculares, diagnosticada quando tinha apenas 18 anos. Além disso, machucou o cotovelo em um acidente durante uma partida de futebol e foi golpeado na cabeça durante um assalto na Bulgária.

À medida que seus dedos foram enrijecendo, ele foi renunciando ao piano. Há duas décadas passou a tocar apenas com a mão esquerda, mas aos poucos o movimento se tornou limitado aos polegares. Com todas estas limitações passou a se dedicar à regência.

A mão biônica

Certo dia o designer de produtos Ubiratã Costa, após ver uma entrevista do maestro, apareceu em seu camarim com um par de luvas e a esperança de poder devolver algo de alegria ao lendário músico.

“As luvas não serviram, mas o convidei para almoçar”, disse o pianista, e a partir dali Costa começou a desenvolver novos protótipos.

As luvas, que combinam Neoprene e peças feitas em impressora 3D, passam por constantes adaptações.

“Já perdi a conta de quantas fiz”, relata o designer.

De forma carinhosa, Martins conta que “antes de aparecer esse maluco com essas luvas”, sua rotina consistia em acordar à 5h30, ler os jornais, comer dois ovos fritos e memorizar partituras, já que a sua condição não o permite passar as páginas durante a música. O maestro sabe de cor cerca de 15 mil partituras.

Agora, por causa dessa tecnologia e de um robô desenvolvido na Europa para conseguir passar as páginas das partituras, poderá voltar a fazer o que mais ama: tocar piano.

No programa do dia 29 de fevereiro de 2020 – Altas Horas da TV Globo, o maestro relatou que se surpreendeu, após conseguir tocar piano com os 10 dedos, depois de 20 anos, em janeiro de 2020. Esta notícia saiu em 158 órgãos de imprensa no mundo todo e porque não dizer, 159 contando o nosso ABERTURA. No mesmo programa o maestro tocou a música “A lista de Schindler” de John Williams que ele fez questão de tocar para marcar os 70 anos da libertação dos judeus do campo de concentração de Auschwitz onde o maior número de judeus foi morto em câmaras de gás.

Projetos sociais

O pianista gostaria de trazer para o Brasil uma versão do programa venezuelano “El Sistema”, do maestro José Antonio Abreu, que trouxe esperanças a milhares de crianças pobres e de classe média.  “Tudo foi gratificante na minha carreira como pianista e maestro, mas tem um buraco aqui: tentar deixar um legado, e tentar deixar um legado é o projeto ‘Orquestrando São Paulo, Orquestrando Brasil’, como intitulei ‘El Sistema’ no Brasil”, diz Martins, que resume sua trajetória como “uma vida baseada em ideais”.

O maestro não é espírita, mas é sem sombra de dúvidas um idealista, trabalhador incansável e um apaixonado pela música. Certamente uma mente plural e desprendida. Um grande Espírito.

terça-feira, 17 de novembro de 2020

Afinal somos livres? por Reinaldo di Lucia

 

Afinal, somos livres?

 

É com este tema que marco o reinício de minhas palestras no Centro Espírita Allan Kardec, de Santos, em 2020. Tema instigante, que é debate na Filosofia há séculos. Afinal, o livre-arbítrio existe ou somos determinados pelas condições que nos rodeiam?

Precisamos, antes de mais nada, definir liberdade. E, por incrível que pareça, isto não é tão fácil. Vejamos a definição clássica, do dicionário:

“Conjunto de direitos reconhecidos ao indivíduo, isoladamente ou em grupo, em face da autoridade política e perante o Estado; poder que tem o cidadão de exercer a sua vontade dentro dos limites que lhe faculta a lei”

Ou então, “Liberdade significa o direito de agir segundo o seu livre arbítrio, de acordo com a própria vontade, desde que não prejudique outra pessoa.”

Ou ainda, “Nível de independência absoluto e legal de um indivíduo, de uma cultura, povo ou nação, sendo nomeado como modelo (padrão ideal).”

Uma questão importante nestas definições é em relação aos limites da liberdade. Na segunda definição, por exemplo, “agir segundo o seu livre arbítrio, ou de acordo com sua própria vontade”, poderia ser entendido como não possuindo limites. Entretanto, complementa-se: desde que não prejudique outra pessoa. O que é um limitador por si só, originado de um princípio religioso (“não fazer aos outros o que não desejaria para si”) ou político (a existência de um pacto social que permite a convivência em sociedade). Tal como o limitador legal da primeira definição.

Já na terceira, a ideia de liberdade como um “nível de independência absoluto” implica num homem não limitado em sua possibilidade de ação. Como afirmava Richard Bach, em Ilusões – a história de um messias indeciso, cada um de nós é livre para fazer o que quiser. Independente de prejudicar ou não aos outros.

Ou seja, a resposta à questão do título depende essencialmente da definição que damos à palavra liberdade. Se limitarmos essa definição a fazermos somente o que não afeta negativamente os outros, então nossa liberdade é limitada, e nosso livre-arbítrio está condicionado a não ultrapassar este limite. Concluímos então que só é possível a liberdade plena se não houver uma divisa moral que nos impeça de ir além: a preocupação com aqueles que dividem conosco a existência (e isso, obviamente, não inclui somente os seres humanos).

Pessoalmente, gosto do conceito de liberdade de Spinoza: diretamente associada à ideia de liberdade está a noção de responsabilidade, uma vez que o ato de ser livre implica assumir o conjunto de nossos atos e saber responder por eles. Ou seja, posso sim prejudicar os outros se eu quiser, mas na vida em sociedade isto (normalmente) tem consequências, que devo assumir.

Kardec propõe que só conseguimos a liberdade absoluta pelo pensamento, pois assim estaríamos livres tanto das limitações sociais quanto do cerceamento imposto pela matéria. Mas deu a este tema tanta importância que o colocou como uma das leis morais, que regem o Espírito.

Precisamos encontrar o equilíbrio entre nosso livre arbítrio e a vida em sociedade. Para tanto, precisamos assumir nossa responsabilidade, eliminando os vícios que nos assolam: orgulho, egoísmo etc.

Simples, não?

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

A tranquilidade espírita por Alexandre Cardia Machado

 

 A tranquilidade espírita

A primeira vez que uma pessoa lê o Livro dos Espíritos percebe imediatamente que se trata de um diálogo tranquilo entre o mestre Kardec e os Espíritos que colaboraram na sua elaboração.

Muitos podem imediatamente pensar que Kardec que residia em Paris, na França onde todos sabemos que o trabalho foi desenvolvido, vivia momentos tranquilos, mas a realidade pessoal e social não era bem assim. Mas isto não o impediu de ser sereno na condução da elaboração da Doutrina Espírita.

Tentarei montar o quadro da situação geopolítica na Europa nos anos 50 e 60 do século 19.  Buscando concentrar nos principais conflitos no mundo de então nos quais a França esteve de alguma forma envolvida:

1837 a 1901 – período chamado de Era Vitoriana - onde a rainha Vitória reinou – celebrizada pela frase” O Sol não se põe no Império Britânico” – esta pressão era muito grande para os eternos rivais franceses;

1848 – Napoleão III, sobrinho de Napoleão Bonaparte assume a presidência da França, em 1852 ele dá um golpe militar e se transforma em rei da França num novo retorno a monarquia e fica no poder até 1870, portanto em todo o período de atuação do professor Hippolyte Leon Denizard como Allan Kardec a França voltava a ser uma monarquia;

1861 – 1865 – Guerra da Secessão nos Estados Unidos, os Confederados tinham apoio logístico e militar da França;

1865 -1867 – Segunda intervenção Francesa no México que terminou com a expulsão das tropas Francesas – isto no período de Napoleão III;

1862 – A França começa a apoderar-se da Indochina – que determinaria 100 anos depois nas guerras do Vietnam – primeiro francesa e depois norte-americana;

1870 – Napoleão III declara Guerra a Prússia, guerra que iria perder, perdendo dois estados Alsácia e Lorena à Prússia e que resultaria mais tarde em um dos componentes da I Guerra mundial entre 1914 a 1918;

Neste período a França apoia a unificação da Itália que se consolida em 1870, com a França anexando o condado de Nice ao seu território.

Peço aos historiadores que me perdoem por não aprofundar em demasia e não incluir todos os conflitos que havia na época entre países europeus em suas colônias, que só eram mantidas a força. Assim como a luta entre eles mesmos, mundo a fora.

Mostro este quadro para demonstrar, que mesmo neste ambiente conturbado, Kardec não transcendia estas aflições que certamente o acometiam à construção do Espiritismo.

Allan Kardec o bom senso encarnado se focava nas relações humanas e espirituais, nos aspectos individuais, ou seja, aqueles que contribuíam para o crescimento do ser espiritual. Isto não significa que Kardec e os espíritos superiores consideravam a guerra ou os abusos de crueldade algo desprezível. Para tal nos deixaram a chamada Lei da Destruição (Livro Terceiro – capítulo VI do LE).

No entanto estes problemas não eram a sua prioridade, ele os julgava temporários, com a evolução humana os conflitos tenderiam a se reduzir. Isto não aconteceu imediatamente, para Kardec parecia que as mudanças seriam muito mais rápidas, mas estas mudanças de fato estão acontecendo vagarosamente.

Se olharmos o século 19 tivemos as guerras Napoleônicas, a guerra do Congo e a Revolta Taipin na China que juntas mataram mais de 27 milhões de pessoas, no século 20 com a primeira Guerra Mundial, a II Guerra Mundial e a revolução Russa que juntas levaram a morte a mais de 60 milhões de pessoas segundo a revista Superinteressante, outros conflitos levaram muito mais pessoas para o Plano Espiritual. 

Já nos 19 anos de século 21, nos principais conflitos que de alguma maneira ainda persistem até os dias de hoje, como: a guerra do Iêmen; a guerra de Boro Karan; do Afeganistão; do Iraque; do Sudão e da Síria (todas tem como vínculo causal as disputas internas do islamismo combinada com a proximidade de grandes jazidas petrolíferas). Estes enfrentamentos levaram a morte cerca de 1 milhão de pessoas e milhões de refugiados.

Fica claro que os mecanismos internacionais, ainda que deficientes estão sendo capazes de reduzir os efeitos terríveis, das mortes nas guerras.

Não há dúvida de que vivemos num mundo muito melhor do que aquele onde Kardec desenvolveu a Doutrina Espírita

O Século 19 se caracterizou pelo desenvolvimento de armas e munições mais destrutivas, a escalada prosseguiu no século 20 com a aviação e as bombas atômicas, mas chegamos a um ponto onde a opinião pública, a imprensa e mais recentemente as redes sociais detiveram a utilização de armas de destruição em massa. Ainda temos o risco, pois o arsenal existe, mas sua utilização está contida.

Reforçamos então a mensagem de que o Espiritismo surge para nos dar tranquilidade diante das intempéries da sociedade. Na introdução do Livro dos Espíritos Kardec assim  nos ensina “ Os bons Espíritos nos solicitam para o bem, nos sustentam nas provas da vida e nos ajudam a suportá-las com coragem e resignação; os maus nos solicitam ao mal: é para eles uma alegria nos ver sucumbir e nos assemelharmos a eles.” Como na música de Roberto Carlos “se o bem e o mal existem, você pode escolher, é preciso saber viver”.

Para saber viver é preciso ter clareza sobre quais problemas do mundo temos capacidade de influenciar e quais estão fora de nosso alcance, procuremos atuar naqueles que podemos fazer algo e acreditar que há boas pessoas que podem fazer o mesmo nos problemas em que a solução está fora de nosso alcance como indivíduo.

artigo publicado no Jornal abertura - março 2020

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

DIALOGANDO COM JACI - por Egydio Regis

 

DIALOGANDO COM JACI

 

Preambulo

Nota do blog - nova coluna do Jornal Abertura á partir de 2020

 

Após encerrarmos o trabalho prazeroso durante dez anos estudando e divulgando os artigos elaborados pelo mestre na Revista Espírita, iniciaremos uma outra tarefa não menos prazerosa e de importância para a afirmação doutrinária Espírita em nossos tempos. Pessoas podem perguntar: por que Jaci Regis? O que ele representa para o Espiritismo? Seu nome é reverenciado nacionalmente? Por que não foi reconhecido e divulgadas suas ideias pelos canais do “poder” central do movimento espírita? Algumas destas perguntas responderemos baseados na vivência que tivemos dentro do movimento e com o próprio Jaci. Outras a obra literária dará as respostas que muitos procuram.

 

Qual o perfil de Jaci? Poucos da multidão de espíritas puderam realmente conhecer e admirar a personalidade marcante desse incansável trabalhador, quer dos assuntos doutrinários, quer da benemerência dedicada à infância e às mães sofridas carentes a procura de uma vida digna junto das suas crias. Jaci possuía uma energia de trabalho que chegava a irritar a quem o seguia. Sua mente criativa o projetava para novos projetos arrojados que faziam tremer as bases estabelecidas no pieguismo e nos valores envelhecidos pelo comodismo. Desde a adolescência ousou contrariar e enfrentar os velhos líderes do movimento espírita santista, cujos centros mais pareciam simulacros de igrejas e templos evangélicos do que casas de estudos e de divulgação da Doutrina Espírita. Aos quatorze anos chegou a Santos (catarinense de nascimento) , ingressou na então fundada Juventude Espírita de Santos (1947) onde logo manifestou seu espírito inquieto e quando a Mocidade rebelou-se contra os entraves da diretoria do Centro Espírita Manoel Gonçalves (sede primeira da Mocidade ) e transferiu-se para o Centro Beneficente Evangélico (em 1949, já então com o nome de Mocidade Espírita Estudantes da Verdade) Jaci, ainda na adolescência, quando o Mentor da mocidade o saudoso Alexandre Soares Barbosa teve, por força de sua atividade profissional, que deixar a condução doutrinária da entidade, chamou para si essa responsabilidade. O Centro Beneficente Evangélico, era um pequeno centro com poucos frequentadores e praticamente com as portas quase fechadas. A MEEV (Mocidade Espírita Estudantes da Verdade), sob a batuta de Jaci deu nova vida ao Centro. Mas, ele não se conformou com o fato de o nome não identificar uma casa espírita e sua primeira luta foi convencer a “velha guarda” a acrescentar o nome Espírita, passando então a denominar-se Centro Espírita Beneficente Evangélico. Com o apoio de alguns companheiros mais velhos, mas com mente aberta e, sobretudo, com os jovens da Mocidade, Jaci tornou-se o grande condutor do Centro. A primeira grande iniciativa foi propor a mudança do nome de Centro Espírita Beneficente Evangélico, para Centro Espírita “Allan Kardec”. Para se ter ideia da capacidade intelectual de Jaci, é preciso dizer que até mais de vinte anos de idade, ele tinha apenas completado o curso comercial, equivalente na época ao ginásio ou ao primeiro ciclo de hoje. Porque precisava trabalhar e não tinha tempo para estudar. Assim, somente lhe restava prestar exame de madureza que hoje seria o supletivo. A partir daí, tendo conseguido o certificado do segundo grau, não mais parou e laureou-se em três cursos superiores: Economia, Jornalismo e Psicologia, os dois primeiros em horário noturno por causa de sua atividade profissional como empregado da Petrobrás. Psicologia cursou quando já estava aposentado e foi sua última atividade profissional.

 

Paralelamente aos trabalhos no Centro e aos primeiros ensaios de questionamentos doutrinários, Jaci preocupava-se com a atividade de benemerência incorporando-se às campanhas desenvolvidas pelo Centro e, especialmente ao Lar Veneranda, creche não propriamente espírita, fundada e dirigida por um grupo de amigos ligados a atividade portuária. Essa entidade funcionava em uma casa e atendia um punhado de crianças possibilitando suas mães trabalharem, além de oferecer cursos de qualificação para essas mães. Sua situação não estava muito boa estando sob ameaça de despejo e outras dificuldades. Jaci e um grupo de jovens, depois de algumas gestões, assumiu a direção da entidade e num verdadeiro esforço heroico, suportando todo tipo críticas e má vontade de pessoas derrotistas, não só comandou a superação de dificuldades, como conseguiu a façanha de construir um prédio moderno e confortável para abrigar mais de cem crianças, estendendo a atuação de creche para o lar de crianças desamparadas. Incansável, dirigia o Lar, o Centro, fazia palestras, escrevia e trabalhava profissionalmente em jornada de oito horas. Era difícil acompanhar o seu ritmo de trabalho e isso muitas vezes o irritava.

 

Jaci não era uma pessoa melosa, tinha uma personalidade forte e não usava de eufemismos com ninguém. Era direto, duro, mas sensível e respeitoso com quem merecia. Era um palestrador na época em que surgiram os oradores que davam verdadeiros espetáculos declamando trechos decorados, elevando a voz para impressionar o público e derramando-se em trechos evangélicos longos. Jaci, não decorava nada, não fazia pose, não usava linguagem empolada. Não empolgava, fazia pensar, derramava doutrina clara e ousava tocar em assuntos que melindravam as plateias acostumadas a ouvir repetidamente lições evangélicas e pouco espíritas. Como resultado de sua coragem em criticar os centros que mais pareciam igrejas e assembleias evangélicas, Jaci passou a ser persona não grata nas casas espíritas. Os jornais que fundou e escreveu, como o Abertura, assim como suas obras, foram proibidos pelos dirigentes desses centros. Por incrível que possa parecer, sua palavra foi caçada e seus escritos censurados, sob a égide de uma doutrina que tem a liberdade de pensamento e de expressão como lema maior. Essa lamentável atitude espalhou-se por todo o Brasil e por isso suas ideias revolucionárias, seu descortino em analisar a obra de Kardec e desmistificar o emanuelismo e o mediunismo que pretendiam substituir e superar Kardec, não chegaram à massa espírita.

 

Além dos livros, que vamos basear nosso trabalho, Jaci foi o grande incentivador do espiritismo laico, hoje bem sedimentado no continente sul-americano. Idealizador do Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita, que reúne espíritas de todo o Brasil e de outros países, é sempre lembrado e citado por muitos participantes.

 

Enfim, muito poderia escrever sobre Jaci, de quem tive a honra de ser irmão de sangue e mais do que isso, seu admirador e seguidor. Devia esta justa homenagem a um dos mais importantes espíritas de nosso tempo. Oxalá a partir deste modesto trabalho algumas pessoas se interessem e mergulhem nos ensinamentos de Jaci Regis.

 

Egydio Régis

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

ABORTO – Um Olhar Humanizado - por Jacira Jacinto da Silva e por Saulo de Meira Albach

 

ABORTO – um olhar humanizado

 

“Que tristes os caminhos, se não fora a presença distante das estrelas! “ Mario Quintana

 

Para iniciar esta difícil discussão, buscaremos responder à seguinte questão: A quem cabe a decisão de interromper uma gravidez? À gestante, ou ao Estado?

Enquanto o país aguarda o julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), da arguição de descumprimento de preceito fundamental ADPF - 442/DF, com parecer da Procuradoria Geral da República, pela criminalização do aborto, é tempo de espíritas discutirem o assunto.

Antes de tudo, alguns esclarecimentos iniciais.

 

ADPF é uma das ações que fazem parte do controle concentrado de constitucionalidade, cujo julgamento cabe ao STF. Sua inspiração vem da Corte Constitucional da Colômbia, que forjou a técnica de decisão do Estado de Coisas Inconstitucional (ECI).( ref 1) A função desta ação é evitar ou reparar lesão a preceito fundamental, resultante de ato do Poder Público (ref 2).

 

E o que seria preceito fundamental? Refere-se a normas e princípios imprescindíveis e de relevância especial da Constituição. A ação serve tanto para evitar lesões como também reparar as lesões já causadas pela violação dos preceitos fundamentais.

 

Em 6/03/2017, o PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE – PSOL apresentou ao STF a ADPF 442, visando à não recepção parcial dos artigos. 124 e 126 do Código Penal, indicando como preceitos fundamentais violados, os princípios da dignidade da pessoa humana, da cidadania e da não discriminação, bem como os direitos fundamentais à inviolabilidade da vida, à liberdade, à igualdade, à proibição de tortura ou tratamento desumano ou degradante, à saúde e ao planejamento familiar, previstos nos artigos. 1º, I e II, 3º, IV, 5º, caput e I e III, 6º, caput, 196 e 226, § 7º, da Constituição Federal.

 

Em 3/08/2018 – o STF realizou audiência pública. Foram recebidos mais de 180 pedidos de habilitação de expositor na audiência, abrangendo pessoas físicas com potencial de autoridade e representatividade, organizações não governamentais, sociedades civis e institutos específicos.

Em maio de 2020 sobreveio o parecer do Ministério Público: “opina o PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA pelo indeferimento da medida cautelar e, no mérito, pela improcedência da arguição de descumprimento de preceito fundamental”. Em síntese, opinou pela criminalização.

 

Falta apenas o julgamento em plenário no STF.

 

E nós, espíritas, como interpretamos a situação? A mulher que pratica aborto com menos de 12 semanas de gravidez, como discute a ADPF, deve ser criminalizada, ou não?

 

O direito à vida é inquestionável, sendo o primeiro e o maior de todos os bens tutelados pela legislação. É com esse fundamento que religiosos, dentre eles grande parte dos espíritas, advogam a condenação da pessoa que pratica o aborto. Vejamos o que dispõe o Espiritismo.

 

A pergunta n. 880 de O Livro dos Espíritos está assim redigida: Qual o primeiro de todos os direitos naturais do homem? Resposta: “O de viver. Por isso é que ninguém tem o direito de atentar contra a vida de seu semelhante, nem o de fazer o que quer que possa comprometer-lhe a existência corporal”.

 

A complexa questão do aborto, entretanto, passa pela análise de outros fatores.

Ainda analisando O Livro dos Espíritos:

 

Q. 136.a — Pode o corpo existir sem a alma? R: “Pode; entretanto, desde que cessa a vida do corpo, a alma o abandona. Antes do nascimento, ainda não há união definitiva entre a alma e o corpo”.

Q. 344. Em que momento a alma se une ao corpo? R: “A união começa na concepção, mas só é completa por ocasião do nascimento. Desde o instante da concepção, o Espírito designado para habitar certo corpo a este se liga por um laço fluídico, que cada vez mais se vai apertando até ao instante em que a criança vê a luz”.

Q. 346. Que faz o Espírito, se o corpo que ele escolheu morre antes de se verificar o nascimento? R: “Escolhe outro”.

Q. 357. Que consequências tem para o Espírito o aborto? R: “É uma existência nulificada que ele terá de recomeçar”.

 

Q. 358. Constitui crime a provocação do aborto, em qualquer período da gestação?

R: Há crime sempre que transgredis a lei de Deus

Uma mãe, ou quem quer que seja, cometerá crime sempre que tirar a vida a uma criança antes do seu nascimento, por impedir uma alma de passar pelas provas a que lhe serviria o corpo.

 

Q. 359. Dado o caso que o nascimento da criança pusesse em perigo a vida da mãe dela, haverá crime em sacrificar-se a primeira para salvar a segunda? R: “Preferível é se sacrifique o ser que ainda não existe a sacrificar-se o que já existe.”

 

E o que diz o Código Penal sobre aborto provocado pela gestante ou com seu consentimento.

 

Art. 124 - Provocar aborto em si mesma ou consentir que outrem lho provoque:

Pena - detenção, de um a três anos. (…)

Art. 126 - Provocar aborto com o consentimento da gestante: (terceiro)

Pena - reclusão, de um a quatro anos.

Art. 128. Não se pune o aborto praticado por médico: (Aborto necessário)

I – se não há outro meio de salvar a vida da gestante

II – se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal.

Pesquisa Jurisprudencial revela que:

 

 

Criminaliza

Não criminaliza

STF (ref 3)

 

Primeiro trimestre

STF

 

Anencéfalo

STF

Terceiro provocador/ex. médico

 

STJ (ref 4)

 

Terapêutico

STJ (ref 5)

Provocado pela gestante

 

STJ (ref 6)

Sem consentimento da gestante

 

TJSP (ref 7)

6 meses gestação

 

TJSP (ref 8)

Provocado pela gestante

 

TJSP (ref 9)

 

Anencéfalo

O espiritismo nos ensina a viver sob a égide do livre arbítrio com responsabilidade. Do mesmo modo, não cogita a aplicação de penas e castigos. Cada ser é condutor do seu destino; constrói situações aflitivas ou felizes e a lei da reencarnação indica as infinitas oportunidades que os espíritos terão para progredir.

 

            Voltemos à questão inicial: A quem cabe a decisão de interromper uma gravidez?

 

De acordo com o nosso entendimento, esta decisão é da gestante.

 

Particularmente, não somos favoráveis ao aborto, e fazemos questão de ressaltar isso, mas nos sentimos muito à vontade para dizer que não podemos impor a nossa convicção a ninguém, tampouco nos sentimos no direito de condenar a mulher que, por razões desconhecidas, decidiu abortar. Estamos bastante convictos de que todos teremos novas oportunidades para aprender e crescer.

 

Com base nos conceitos fundamentais do espiritismo e no desenvolvimento dos valores da sociedade, sobretudo do respeito aos direitos de todos os seres humanos, propomos a seguinte abordagem para o tema:

 

- somos contrários ao aborto, pois valorizamos demais a vida;

- propomos que a mulher, na medida de suas forças, embora reconhecendo que é dela o direito de decisão e – de regra - a carga advinda da gravidez, busque assimilar a gravidez acidental;

- incentivamos o uso dos métodos anticonceptivos quando a gravidez não é desejada;

- apoiamos mulheres que desejam ter seus filhos (é necessário dar condições);

- consideramos fundamental promover a educação sexual.

Acima de tudo, propomos respeito ao livre arbítrio, cabendo à mulher decidir o que fazer no caso de gravidez indesejada; defendemos a admissão do aborto terapêutico e que em nenhum caso a mulher seja criminalizada.

 

            Os crentes de todas as religiões condenam todo tipo de aborto e condenam até mesmo a pílula do dia seguinte, sob o pretexto de que já teria havido a fecundação e, portanto, já existiria vida. Defendem a criminalização de condutas que a própria lei não pune, como os diversos anticonceptivos e o aborto se a gravidez resultou de estupro.

 

            Pensamos a filosofia kardecista como uma contribuição libertadora e não como instrumento de julgamentos e condenações. Ao invés de intimidar e condenar, exigindo a imputação de crime à gestante que abortou, devemos orientar as mulheres sobre o papel da maternidade e a importância da vida; ajudar na educação; auxiliar a formar uma geração de jovens responsáveis; amparar as jovens mães desprotegidas.

 

            Antes de afirmar que somos favoráveis à criminalização da gestante que pratica qualquer tipo de aborto, deveríamos analisar as consequências da manutenção obrigatória de uma gravidez indesejada, ou decorrente do estupro, por exemplo.  Melhor seria se os representantes dos mais diversos segmentos religiosos saíssem em campanhas públicas, usando a mídia nacional como fazem para condenar o aborto, apresentando propostas concretas de apoio, amparo, proteção e encaminhamento de todas as grávidas de filhos indesejados. Muito melhor seria se esses representantes religiosos tivessem o mesmo olhar implacável contra o abandono e a miséria que ceifam a vida real de crianças marginalizadas e condenadas a condições indignas e degradantes.

Em sua obra ABORTO E CONTRACEPÇÃO, Celso Cezar Papaleo, após discutir a impossibilidade de separar o tema do aborto da irrealização plena do bem comum (justiça social), conclui:

“Sociedades injustas afugentam o amor entre os homens e problematizam a própria autoestima humana, desviando-nos de nossas naturais finalidades, cuja objetivação impossibilita para grande número. A ética individual periclita quando falecem valores na vida social”. (ref 10)

É estranhamente paradoxal que as religiões defendam tanto uma célula recém fecundada, que absolutamente não pode ser denominada feto ou criança, posicionando-se até mesmo contra a pílula do dia seguinte, sob o argumento de que poderia ter ocorrido a fecundação e, por consequência, existiria uma célula ovo com algumas horas em formação, mas não se incomodem  em ver tantas pessoas, incluindo uma imensidão de crianças perambulando pelo mundo, à mercê da própria sorte, sedentas por um olhar religioso em socorro de suas vidas; estas sim, reais, e bem reais. Sejamos a favor da vida, literalmente!

 

Ao tempo em que este artigo estava sendo finalizado um caso chamou a atenção do país: o da menina de dez anos de idade que reside no Espírito Santo, vítima de violência sexual por um familiar. O sigilo que deveria vigorar tendo em vista a idade da menina foi quebrado pela ativista da extrema-direita, Sara Winter. A interrupção da gravidez foi autorizada pelo Poder Judiciário. Esta possibilidade está prevista no ordenamento jurídico brasileiro desde 1940.

 

O que causou espanto, além da divulgação do fato – o que, por si só, já caracteriza crime – foi a movimentação criada contra a decisão judicial e até contra o médico. Cabe avaliar se a intenção dos fundamentalistas é sobrepor preceito religioso a preceito legal, o que é vedado pelo caráter laico do estado brasileiro. Frise-se: a interrupção da gravidez em caso de estupro é autorizada em nossa legislação desde a edição do Código Penal de 1940. Portanto, a decisão judicial aplicou a lei e atendeu recomendação médica – dupla motivação legal, portanto. Neste caso, a integridade da mãe (criança) deve ser preservada. Como já propunha O Livro dos Espíritos, na questão 359, no ano de 1857, Século XIX.

 

A discussão, se considerarmos a idade da mãe – 10 anos – e o fato de que a gravidez resultou de estupro praticado durante vários anos, parece surreal, mas no meio do caminho, além de correntes evangélicas, manifestaram-se contra o aborto o presidente da CNBB e a Associação Médico Espírita do Brasil. Ao que parece tais entidades conseguem ver na criança uma assassina. Como disse Caetano Veloso, “O padre na televisão diz que é contra a legalização do aborto e a favor da pena de morte; Eu disse – Não, que pensamento torto" (ref 11).

 

Autores:

Jacira Jacinto da Silva - Advogada, e Presidenta da CEPA.

Saulo de Meira Albach - Procurador do Município de Curitiba-PR e membro co-fundador do grupo musical Alma Sonora.

 

Referências no texto:

Ref 1 - Em novembro de 1997, foi julgado caso envolvendo 45 professores que tiveram direitos previdenciários suprimidos pelas autoridades municipais de Maria La Baja e Zambrano. Naquela ocasião, a CCC constatou que os motivos determinantes do desrespeito aos direitos dos autores eram decorrentes de falhas estruturais do Estado colombiano, uma vez que não podiam ser imputados a um único órgão, mas sim às diversas esferas integrantes do Poder Público, pois resultavam da execução desordenada e irracional de políticas públicas educacionais. A partir desse diagnóstico, a CCC concedeu o direito pleiteado pelos professores autores da demanda judicial.

Cursino. Bruno Barca. O transplante do Estado de Coisas Inconstitucional para o sistema jurídico brasileiro via ADPF. Boletim Científico ESMPU, Brasília, a. 16 – n. 50, p. 89-121 – jul./dez. 2017.  https://escola.mpu.mp.br/publicacoes/boletim-cientifico/edicoes-do-boletim/boletim-cientifico-n-50-julho-dezembro-2017/o-transplante-do-estado-de-coisas-inconstitucional-para-o-sistema-juridico-brasileiro-via-adpf/at_download/file capturado em 04/08/2020, às 22h.

 Ref 2 - Art. 1º da Lei 9.882/99.

 Ref 3 -  STF – Supremo Tribunal Federal

 Ref 4 - STJ – Superior Tribunal de Justiça

 Ref 5 - C 516437 / SP – STJ HABEAS CORPUS 2019/0175083-7

 Ref 6 - Inq 323-PE, Rel. Min. Cesar Asfor Rocha, julgado em 19/3/2003.

 Ref 7 -TJSP – Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

 Ref 8 - 2188906-47.2017.8.26.0000 

 

Ref 9 - 1000337-79.2016.8.26.0076 

Ref 10 - Rio de Janeiro; Ed. Renovar, 1993, p. 87.

Ref 11 - Letra da canção “Vamo Comer”.

 

quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Desigualdade é um desafio persistente - por Roberto Rufo

 

                                             Desigualdade é um desafio persistente.

 

"O amor da democracia é o da igualdade" (Montesquieu).

 

"O mal da igualdade é que nós só a queremos ter em relação aos nossos superiores" (Henri Becque).

 

 

Nesses 130 anos da Proclamação da República no Brasil vários líderes e intelectuais apontaram os principais problemas para consolidar o espírito republicano.  A promoção da democracia e o combate à desigualdade são os valores mais citados por esses líderes e intelectuais.

 

Vamos comparar algumas citações com o que nos ensina a Doutrina Espírita.

  

Segundo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso "a produção, que se faz crescentemente por meios tecnológicos, não dá emprego e concentra renda. A ideia que parecia absurda - a renda universal - eu não sei mais se é absurda ". 

 

Explicando: Renda Básica de Cidadania (Brasil)  ou Rendimento de Cidadania (em Portugal), ou ainda Renda Básica Universal, é uma quantia paga em dinheiro a cada cidadão pertencente a uma nação ou região, com o objetivo de propiciar a todos a garantia de satisfação de suas necessidades básicas.

 

Em comentário à pergunta 805 do Livro dos Espíritos Kardec fala que "a diversidade das aptidões do homem não resulta da natureza íntima da criação, mas do grau de aperfeiçoamento ao qual chegaram os Espíritos nele encarnados. Deus, portanto, não criou desigualdades de faculdades, mas permitiu que os diferentes graus de desenvolvimento estivessem em contato, a fim de que os mais adiantados pudessem ajudar o progresso dos mais atrasados e, também, a fim de que os homens, tendo necessidade uns dos outros, cumprissem a lei de caridade que os deve unir ". Portanto de acordo com o espiritismo todos os seres humanos devem ter garantido o usufruto das necessidades mais elementares para uma vida digna. A compaixão é uma notável herança do cristianismo.

 

O economista Armínio Fraga fala que "a democracia  e a liberdade exigem um complemento  de natureza solidária, que espelhe a importância de lacunas que ainda temos. Igualdade de oportunidades e uma rede de proteção solidária são cruciais ". Os números indicam que as desigualdades sociais e de renda têm aumentado a nível mundial. 

 

Dessa forma a igualdade de oportunidades e as redes de proteção atuais têm se demonstrado insuficientes.  

 

Quando aborda a questão da igualdade de oportunidades o espiritismo fala que atingida esta só restará a desigualdade de mérito. Mas é bom reforçar como assevera o economista Delfim Netto que "essa tal meritocracia só vale se todos saírem do mesmo lugar. Se consigo partir de um ponto  muito avançado, porque meus pais são ricos e tive oportunidades que outros não tiveram, que meritocracia é essa?"

Por último o espiritismo concorda com o filósofo Renato Janine Ribeiro, que "atacar a desigualdade é também combater o privilégio. A sociedade deve ter claro que o objetivo de vivermos em conjunto é ter por meta o bem comum. Isso significa que vantagens pessoais, individuais, devem estar na esfera do direito e jamais do privilégio. Um regime republicano não pode ser um regime do privilégio".

 

Aí se trata de uma mudança mental do mundo, partindo é claro da evolução individual, e que como nos falam os espíritos na resposta à pergunta 806 "a desigualdade não é obra de Deus, e sim dos homens". Remédio: altas doses de humildade e simplicidade para combatermos o orgulho e o egoísmo que trazemos dentro de nós.

 

Infelizmente existe razão no pensamento do Sr.José Vicente, reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares quando fala que "a República de todos se transformou na República de poucos e que o estado democrático do direito vem se apresentando como estado antidemocrático do direito".

 

Convenhamos é uma tarefa gigantesca o atingimento dessa meta de entendimento entre os homens que na pratica há de se traduzir na aplicação da lei de justiça. Todavia, acredito que chegaremos lá com certeza. 

 

 

Roberto Rufo

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Em qual escala de espíritos nos encaixamos? por Roberto Rufo e Silva

 

Em qual escala de espíritos nos encaixamos?   

 "O homem que sabe reconhecer os limites da sua própria inteligência está mais perto da perfeição". (Johann Goethe).

"O príncipe que pensa poder fazer o que quiser é um louco" (Maquiavel).

 

 Vivemos momentos de decisão em tempos conturbados e as nossas opções refletirão qual o grau de evolução que representa a nossa situação atual de desenvolvimento. No Livro Segundo do Livro dos Espíritos chamado "Mundo Espírita ou dos Espíritos” Capítulo"Dos Espíritos” existe um subtítulo de nome Escala Espírita.

 

Inicia-se essa escala pela Terceira Ordem - Espíritos Imperfeitos que possuem por caracteres gerais a predominância da matéria sobre o espírito. Uma determinada propensão ao mal, à ignorância e o seu caráter se revela pela sua linguagem com sentimentos mais ou menos inferiores. Creio que qualquer um de nós elencaria diversos nomes nacionais e estrangeiros que se encaixam perfeitamente nessa definição. A política oferece um oceano de opções. Não podemos nos esquecer que eles ocupam seus cargos por deliberação nossa. Estaríamos, portanto, nessa escala também?

 

Na Segunda Ordem - Bons Espíritos estão aqueles que possuem por caracteres gerais a predominância do espírito sobre a matéria. Possuem uma propensão para o bem. Segundo os espíritos, uns têm a ciência, outros a sabedoria e a bondade. Os mais avançados reúnem o saber às qualidades morais. Acredito que teríamos dificuldades em elencar muitos nomes que fazem a intersecção do saber às qualidades morais. A política também oferece, não sejamos injustos, um leque de opções a preencherem esses requisitos. Sem dúvida muitos de nós já fizemos escolhas com essa qualidade, e que, no entanto, por motivos vários às vezes regredimos a espíritos da terceira ordem em nossas escolhas. Cabe a cada um fazer uma reflexão, uma autocrítica. Como foi possível recuar na capacidade de escolha?

 

E por último na Primeira Ordem - Espíritos Puros situam-se aqueles que por caracteres gerais atestam que não sofrem influência da matéria. Como adendo possuem uma superioridade intelectual e moral absoluta em relação aos espíritos das outras ordens. Está escrito no Livro dos Espíritos que são os mensageiros e ministros de Deus, cujas ordens executam para a manutenção da harmonia universal. Tenho certeza que já os vimos umas poucas vezes ou ouvimos falar da sua presença no planeta terra. São raros. Os que surgem na minha mente nunca ocuparam ou se interessaram por cargos políticos. Sua liderança sempre se fez notar pelas palavras, exemplos e isenção de preconceitos. Ainda não tivemos espíritos dessa ordem na urna eletrônica para nossa escolha. Sonho com esse dia nas próximas encarnações. Por hora reflito se eles teriam recusado a política como um campo de trabalho de suas vidas?

 

Não me parece que a aversão pela política seja o seu argumento, pois tenho certeza que eles concordam que o exercício da escolha tem a missão de aperfeiçoar o nosso processo de condução e com isso contribuir para a progressão dos espíritos. 

 


quinta-feira, 3 de setembro de 2020

Abrindo a Mente - Marte – proximidade da Terra e as três missões lançadas - por Alexandre Cardia Machado

 

Abrindo a Mente

Marte – proximidade da Terra e as três missões lançadas

Seguimos atentos a aquele que parece ser, no futuro um local onde humanos poderão sobreviver, há muito caminho a percorrer, muito a aprender, mas quem sabe, futuras gerações poderão habitar o planeta vermelho, tornando o princípio espírita da pluralidade dos mundos habitados uma realidade.

Proximidade

Marte e Terra são planetas vizinhos, a Terra está mais próxima do Sol e dá uma volta ao seu redor em 365 dias e seis horas, já o planeta vermelho, completa sua órbita entorno do Sol em 686 dias. Com isto em alguns períodos do ano, a Terra e Marte se aproximam, sendo estes momentos os mais propícios para lançamento de missões a Marte, que nestes casos levam 8 meses para atingir o objetivo.

Hope Mars – Marte Esperança

A sonda Hope foi construída pelo Centro Espacial Mohammed Bin Rashid dos Emirados Árabes Unidos, em parceria com a Universidade do Colorado Boulder, a Universidade Estadual do Arizona e a Universidade da Califórnia em Berkeley. Esta sonda ficará em órbita no planeta.

Trata-se da primeira missão científica planetária liderada por uma nação árabe-islâmica, o que certamente será uma inspiração para as próximas gerações. A nave espacial levará três instrumentos científicos para estudar a atmosfera, o clima e o tempo do planeta. As observações podem ajudar os pesquisadores a entender melhor a transição de Marte de um mundo quente e úmido para o planeta frio e deserto de hoje.

Tianwen -1 (as perguntas celestiais)

Missão chinesa, que será formada por dois componentes, um satélite orbital e um jipe do tamanho de um carrinho de golfe. Se tudo der certo a China será o terceiro país a pousar um objeto terrestre em Marte e por ter sido lançado antes que o Perseverance, poderá ser o quinto robô a pousar no planeta. O nome Tianwen é inspirado em um antigo poema chinês, e pode ser traduzido como “as perguntas celestiais”. 

Mas sabemos que o orbitador tem seis instrumentos, incluindo uma câmera de alta resolução, um magnetômetro e um espectrômetro mineral, que permitirá aos membros da equipe saber a composição das rochas da superfície. Também há seis instrumentos no carrinho que pousará no planeta, incluindo uma estação meteorológica, um detector de campo magnético e um radar capaz de penetrar no solo e detectar gelo de água abaixo da superfície a uma profundidade de cerca de 100 metros.

Mars 2020 Perseverance – (Marte 2020  Perseverância)

Este certamente é o mais aguardado dos três, a NASA lançará seu quinto carrinho robô para Marte, os anteriores foram o Patfinder (1997-1997 – operou por 3 meses) Spirit (2004 – 2010),  Opportunity (2004-2010) e Curiosity (2012 – ainda ativa).

O Perseverance terá algumas missões: coletar amostras a serem trazidas à Terra em uma futura missão, terá um radar de penetração (1000 m) no solo com o objetivo de detectar gelo em seu interior, fundamental, para uma futura missão humana ao planeta. E terceiro levará um pequeno drone, ou helicóptero de 1,8 kg. Se tudo der certo, pela primeira vez poderemos observar o terreno à frente do robô de cima. Tem também o objetivo de verificar a dificuldade de voar na atmosfera rarefeita de Marte.

Para abrir mais a sua mente: vá no Google e digite: https://canaltech.com.br/espaco/conheca-as-tres-missoes-que-serao-lancadas-ao-planeta-vermelho-em-julho-167673/

 

sábado, 22 de agosto de 2020

O desenvolvimento do Espírito, até o surgimento da vida na Terra, uma hipótese livre pensadora Kardecista - por Alexandre Cardia Machado

 

XIII Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita

O desenvolvimento do Espírito, até o surgimento da vida na Terra, uma hipótese livre pensadora Kardecista

Alexandre Cardia Machado


Sumário:

1 – Importância do tema

2 – Limites da hipótese proposta

3 – O que teria acontecido com o espírto no Big bang

4 – Qual a trajetória do Espírito após o big bang e o aparceimento da vida

4.1 – O aparecimento da vida

4.1 – no Universo

4.2 – na Terra

5 – Conclusões

6 – Referências


1 – Importância do tema

Allan Kardec e os Espíritos formularam teorias de formação do universo, estas teorias em vários aspectos não são confirmadas pela observação moderna e portanto merecem uma atualização, ...

Kardec entendia bem isto e declarou em A Gênese “Caminhando de par com o progresso, o Espiritismo jamais será ultrapassado, porque se as novas descobertas lhe demonstrassem estar em erro acerca de um ponto qualquer, ele se modificaria nesse ponto. Se uma verdade nova se revelar, ele a aceitará”.

Portanto, Kardec tinha noção de que o Espiritismo haveria de evoluir o que, no entanto, não foi entendido por seus seguidores que elegeram a Doutrina escrita em 1857 como a verdade acabada. Quase nada mais se acrescentou e incorreu-se no erro e no risco de passar-se de Científico para Pseudocientífico ou, nas palavras de Gewandsznajder “Não é por acaso que algumas pseudociências estagnaram e seus seguidores tenham se limitado a repetir as mesmas ideias, técnicas e princípios pretensamente verdadeiros de centenas até milhares de anos atrás. As pseudociências,... costumam se isolar-se da ciência. Seus seguidores ostentam às vezes completa indiferença para com as descobertas científicas, sustentando princípios e leis que frequentemente contradizem os princípios científicos”. (4)

2 – Limites da hipótese proposta

Estamos desenvolvendo um modelo de desenvolvimento do espírito, desde a sua criação como princípio espiritual até o surgimento da vida.

Partimos da proposta existente no Livro dos Espíritos (LE)  da existência de Deus, do espírito e da matéria, esta última representada desde as mais diversas formas de energia até a menor partícula sub-atômica, passando por todos os estados em que a mesma pode se apresentar (sólido, líquido, gasoso, plasma ou energia).

Consideramos também o exposto no LE - Sabemos que o espírito é criado simples e ignorante[1] (princípio), devemos portanto admitir que o espírito vá se tornando mais complexo desde a sua criação até um momento qualquer que o analizemos. Algo que evolua, que seja imortal e sede da inteligência, deverá necessariamente desenvolver-se ou seja passar de simples e ignorante a algo complexo e inteligente.

As observações do universo levam à conclusão de que a hipótese do Big Bang é a mais provável para o surgimento do universo, sendo esta a marca mais clara da ação do Criador, tres observações reforçam esta tese:

1 – Existência de uma radiação de fundo de microondas no espaço;

 2– O universo está em expansão;

 3– Idade da matéria e os isótopos do Urânio teriam entre 10 e 15 bilhões de anos e a idade das estrelas entre 12 e 14 bilhões de anos. [2]

Entender, nestas condições como aparece o espírito no cenário universal é o objetivo deste trabalho.

 

 3 – O que teria acontecido com o espírto no Big Bang

O Espírito e a Matéria tem uma trajetória de evolução extremamente interligada,  para que o espírito possa encarnar é preciso que indivíduos existam ou seja, é preciso que a vida surja no Universo.

Mas como os processos naturais levam aos estados de menor energia, só mesmo com a participação, deste espírito que é o componente do universo que tem a capacidade da inteligência, ou do aprendizado, para fazer com que a matéria bruta orgânica ganhe vida.

Sendo a matéria o laço que prende o espírito[3], enquanto princípio espiritual, passemos então a analisar a evolução do espírito:

Evolução do espírito:

Sabemos que o espírito é criado simples e ignorante[4] (princípio), devemos portanto admitir que o espírito vá se tornando mais complexo desde a sua criação até um momento qualquer que o analizemos. Algo que evolua, que seja imortal e sede da inteligência, deverá necessariamente desenvolver-se ou seja passar de simples e ignorante a algo complexo e inteligente.

Natureza do Espírito:

1.é um ser criado potencialmente, perfectível, como um projeto

2.é imortal, um ser realizável, possui como qualidade própria a capacidade de permanecer individualizado para sempre

3.é necessário a presença de um elemento externo, adequado ao seu desenvolvimento      ( mundo material)[5]

O  que é o espírito,como princípio então ?

A resposta imediata para qualquer espírita é: “é o principio inteligente do Universo” [6]– esta é a resposta do Livro dos Espíritos-LE, mas poderíamos dizer também que é algo que está preso à matéria por um laço[7]. Este laço é tão importante ao ponto de não ser possível ao espírito se expressar senão ligado à matéria.

Onde se localizaria o princípio espíritual?


O Físico Francês Jean Charon chega a conclusão de que o espírito se localiza em um “micro buraco negro” encontrado junto ao elétron – por ser este um elemento da natureza que migra por todo o universo. Partindo desta idéia – na Teoria Kardecista estaríamos falando aqui do Princípio Espiritual. A esta fase de vida deste espírito em formação que passo a denominar de Princípio Espiritual Arcaico( PEA)

 

Pensando em “Big Bang” por volta de 0,000006 seg após o início da expansão do universo o elétron foi criado, por consequência o PEA poderia estar iniciando a sua jornada, no laço da matéria neste momento.

Por que o elétron ?

Porque na região do elétron, segundo as equações da relatividade, passaríamos a vivenciar uma situação negaentrópica – isto é possível porque algo que esteja nesta região não segue uma lógica normal, busca uma nova ordem teríamos os micro-constituíntes da situação negaentrópica que caracteriza a vida[8]. Nesta região surge um micro buraco-negro que poderia ser o laço que prende o PEA.

Nesta região aplica-se também o princípio da incerteza de Heisenberg[9], hoje, segundo Greene, sobre o elétron “a Mecânica quântica não é capaz de dizer se a onda de probabilidade é o elétron, ou se ela é associada ao elétron, ou se é o instrumento matemático que descreve o movimento do elétron, ou se é a incorporação do que podemos saber sobre ele”[10] . Por isto mesmo acredito que se um dia entermos plenamente o elétron teremos dado um passo fundamental para entender o espírito.

Para me ajudar nesta afirmação recorro ao próprio Kardec[11], “Desde os animais do último grau, passando pelos Espíritos inferiores, até chegar ao arcanjo tudo se encadeia na Natureza. O próprio arcanjo começou pelo átomo.”

André Luiz, também, ao  se referir à matéria mental destaca o papel do elétron:

“Identificando o fluído elementar ... por base mantenedora de todas as associações da forma nos domíneos inumeráveis do cosmo, do qua conhecemos o elétron como sendo um dos corpúsculos-base, nas organizações e oscilações da matéria...encontraremos a matéria mental que nos é própria, em agitação constante...”[12]

Hernani Guimarães[13] chega mesmo a desenvolver toda um teoria à respeito da matéria Psi, como tratamos aqui das idéais básicas não nos aprofundaremos, deixando apenas as pistas para aqueles que assim se interessarem.

Todo este detalhamento científico se fez necessário, para que possamos estabelecer um patamar, capaz de nos permitir demonstrar que etapas ainda seriam necessárias, na evolução do universo, à partir da sua criação no bigbang, até que as mínimas condições para aparecimento de vida se façam presentes.

 

 4 – Qual a trajetória do Espírito após o Big Bang e o aparecimento da vida

4.1 – O aparecimento da vida:

A questão 37 de O Livro dos Espíritos diz: “O Universo foi criado ou existe de toda a eternidade como Deus? É fora de dúvida que ele não pode ter-se feito a si mesmo. Se existisse como Deus, de toda a eternidade, não seria obra de Deus”.

Com relação à vida na Terra, na questão 45, os Espíritos respondem a Kardec, referindo-se aos elementos orgânicos: ”Achavam-se por assim dizer, em estado fluido no espaço no meio dos Espíritos, ou em outros planetas, à espera da Criação da Terra para começarem existência nova em novo globo”.

Mas o que pensam os cientistas, ou melhor, em qual caminho marcha a Ciência na busca da origem da vida na Terra, ou no universe à partir do que se conhece na Terra? Os cientistas pesquisam as moléculas mais básicas, presentes em todos os organismos ou a capacidade de reproduzir-se que são as proteínas e ácidos nucléicos, como cita Carl Sagan, em artigo publicado na Revista Superinteressante de janeiro de 1988, intitulado “como a vida começou”.

“As proteínas controlam a química e a arquitetura de cada célula (...)”. “Elas determinam o ritmo segundo o qual outras moléculas interagem. Elas guiam o metabolismo. Os ácidos nucléicos são as moléculas mestras da vida. Com apenas algumas poucas possíveis exceções, contém toda a informação hereditária”, afirma o cientista no seu artigo.

Foi nessa linha de pesquisa que dois cientistas americanos- Harold Urey e Stanley Muller- da Universidade de Chicago, no começo dos anos 50, realizaram uma experiência que simulava as condições atmosféricas existentes no nosso planeta há 4 bilhões de anos (os sinais de vida já detectados datam de 3,8 bilhões de anos).

O experimento consistia em introduzir num frasco de vidro, hidrogênio, metano, amônia e água que, acredita-se, formavam a atmosfera da Terra, naqueles tempos. A água foi mantida fervendo enquanto, periodicamente, descargas elétricas cortavam o ambiente. Após dois dias formou-se um caldo amarelado; com maior fervura passou a rosa, ou seja, foi possível obter compostos orgânicos mais complexos. Naturalmente, não se criou vida naquele frasco, mas comprovou-se como poderiam ter surgido as primeiras proteínas.

A colocação “estes germes permaneceram em estado latente de inércia, como a crisálida e as sementes de plantas”, que esta na questão 44, de O Livro dos Espíritos, considerando, pois, literalmente, que os princípios vitais estariam como germe, pode ser interpretado de diversas maneiras.

Se, contudo, apenas compararmos os conhecimentos científicos da época, que também seriam os que possivelmente teriam os Espíritos que deram comunicações a Kardec, podemos tirar algumas posições. O Livro dos Espíritos foi publicado em 18 de abril de 1857, enquanto o trabalho mais importante e que abriu canal de discussão sobre a origem da vida, “Origem das Espécies”, foi publicado por Charles Darwin em 24 de novembro de 1859.

Antes de Darwin, todos os trabalhos baseavam-se na criação espontânea, a cargo de um ato executivo de Deus. Dessa forma, interpreta-se que os Espíritos não tinham uma visão evolutiva, sendo suas posições mais próximas da criação espontânea do homem, na origem dos tempos, como dá entender a questão 49, do capítulo citado.

A Ciência não busca  acabar com Deus, nem nada parecido, na verdade a ciência isola a ação Divina. Apenas procura descobrir as leis naturais e os mecanismos de ação dessas leis. Aliás, a existência de Lei, admite um legislador.

As experiências feitas em nossos dias pela Engenharia Genética jamais conseguiram criar a vida. Mas ajudaram muito a viabilizar uma condição acessória (exemplo do bebe de proveta), mas a ligação do principio espiritual às moléculas orgânicas continuam um mistérios a ser decifrado.

Hoje se conhece muito mais que em 1857, acerca da evolução material, mas pouco ou nada se acrescentou a questão fundamental: o que é a vida? Mas isso é tema para outro artigo.[14]

 

4.2 – no Universo

 

Como se desenvolveu o Espírito?

tese que desenvolvo é que Deus criou a matéria e o espírito ao mesmo tempo, no chamado “Big Bang” ,há 14 bilhões de anos atrás, sendo a matéria o laço que prende o espírito (LE – questão 22). Tomando como base o nosso planeta, a evolução dos espíritos que aqui se desenvolveram, seria como no quadro acima.

Desta forma, o princípio espiritual evolui, de seu estado inicial que chamamos didaticamente de Principio Espiritual Arcaico, até a forma Espiritual que habita os nossos corpos físicos

Assim teríamos as seguintes fases que o espírito passaria, desde a sua criação até a fase de sabedoria:

1 -Do Big Bang até o surgimento da vida em algum planeta é necessário um processo de formação de matéria, o que chamarei a seguir de tijolos da viida, na Terra, 10,5 bilhões de anos após o Big Bang só , existia  o Principio Espiritual Arcaico, este evoliu muito pouco absorvendo os reflexos de suas interações com a matéria, através das constantes transformações que a mesma é sumetida. Neste período há o predomínio do Principio Espiritual Arcaico.

2 – Quando  surge a vida, na tese da pluralidade dos mundos habitados, nos diversos locais do universo  o Principio Espiritual começa a se desenvolver em seres vivos primitivos dos reinos mais simples que acreditamos possam surgir semelhantes aos Reinos  Monera, Protista, Fungo e Planta, que conhecemos na Terra. Nesta fase este Principio receberá o nome didático de Principio Espiritual Vital, onde o Principio Espiritual Vital  aprende por reflexos e por instinto e torna-se o agente da manutenção da própria vida; Neste período então existe o predomínio do Principio Espiritual Vital sobre o Principio Espiritual Arcaico  que segue interagindo com a matéria e coexistindo com  o Principio Espiritual Vital, já diferenciado do seu antecessor.

3 – Como não detectamos a vida fora da Terra ainda, vamos usar o exemplo terreno para explicar a trajetória evolutiva do Espírito. A busca de vida fora da Terra persiste, portanto a Doutrina Kardecista precisa estar atualizada e capaz de explicaá-la a luz da ciência.

 

4 – Acreditamos que à partir de seres com características semelhantes aos dos animais da Terra, ou seja com mobilidade, com corpos físicos mais desenvolvidos, adaptados aos planetas onde se desenvolveram através da lei natural da sobrevivência do mais forte e da adaptabilidade, o Princípio Espiritual sofra um grande avanço evolutivo, comparado aos outros tipos de vida disponíveis até então. O desenvolvimento destes seres vivos até um nível civilizatório, é uma incógnita, pois os corpos precisariam passar por dificuldades as mais diversas que levassem a este desenvolvimento. Mas é possível imaginar que isto tenha ocorrido ou esteja ocorrendo em diversos pontos do universo, dado onúmero impressionante de estrelas e planetas existentes no universo e claro à existência da lei natural de progresso.

Atualmente existem diversas pesquisas de busca de vida extra-terrestre que não entraremos em detalhes aqui, mas que desenvolvemos no trabalho -  Análise da necessidade de recorrermos à exobiologia , quer física, quer espiritual para explicar o desenvolvimento das civilizações na Terra. Apresentado no X SBPE em 2007[15]. Existem alguns estudos no MIT (Massachusetts Institute of Technology) onde um projeto está sendo desenvolvido para cirar um equipamento capaz de analisas rochas marcianas e comparar possíveis DNAs de microorganismos existentes ou fossilizados com os DNAs terrestres buscando correlação entre eles[16].

 

Ou seja, se no futuro as missões robóticas que estamos enviando a Marte conseguirem obter algum sinal de vida em sua superfície, seremos capazes de saber se existe relação entre estas formas de vida e as desenvolvidas na Terra, e porque isto? Pois permanentemente nosso planeta tem recebido metoritos oriundps de Marte, sim, porque há cerca de 2 bilões de anos todos os planetas do sistema solar estavam permanentemente entrando em choque com asteroides.

 

A grnade incógnita aqui é que, a vida pode surgir e não permanecer, por razões que entenderemos melhor no próximo capítulo.

 

 4.3 – na Terra

Como foi o desenvolvimento do corpo físico?

Os tijolos da vida - a composição da química da vida em todas a formas de vida que conhecemos, dependem da presença de alguns elementos químicos principais: são eles:  Hidrogênio, Oxigênio, Carbono e Nitrogênio. Todos os outros elementos químicos juntos representam menos de 1% da massa do corpo humano, como exemplo.

Não é a toa que os quatro elementos principais fazem parte dos seis elementos mais comuns do Universo, os demais são Hélio e Neón. Curiosamente, estes 4 elementos básicos para a vida não são tão presentes na Terra, como o são no espaço, ou seja a incidência destes elementos na Terra, onde sabidamente há vida, é menor do que na média dos outros locais do universo, demonstrando que os componentes químicos necessários ao aparecimento da vida, são muito comuns no universo, nos permitindo pensar que, se as condições ambientais favorecerem, a vida pode se originar em qualquer lugar no espaço onde são gerados no interior de estrelas.

O processo de formação de uma estrela até a sua destruição não é muito rápido e está na casa de bilhão de anos. Assim é provável que nos primeiros 2 bilhões de anos pouco ou quase nenhum carbono estivesse disponível. Passado portanto esta primeira etapa orfã de Carbono, começam novos ciclos de vida de estrelas, e neste aspecto é importantíssimo o caos a que se segue a uma explosão de uma nova ou de uma supernova, pois ela espalha nas regiões interestelares, uma nebulosa, repleta destes elementos mais pesados, como Carbono, Silicio, Ferro, Níquel misturados a uma quantidade enorme de gases, como hidrogênio, oxigênio, hélio e neón.

Como toda a vida até hoje detectada, está baseada no Carbono e na química orgânica, podemos pensar que nos primeiros bilhões de anos após o Big Bang, nenhum princípio espiritual pudesse ter evoluído a espírito.

À partir de uma nebulosa há cerca de 5 bilhões de anos atrás, fez-se surgir o Sol e seu sistema planetário e com o tempo a vida na Terra.

Processo de aparecimento da vida na Terra:

1. Formação da crosta sólida no planeta (desta crosta todos os elementos químicos serão extraídos;

2. Formação de grandes oceanos ( existência de água no estado líquido que se deveu muito provavelmente a uma série de choques de cometas contra o nosso planeta[17]);

3. Existência de uma atmosfera rica em CO2, CH4 e vapor d’água que favoreceu o aparecimento do efeito estufa que tanto nos incomoda hoje, mas que provocava grandes convecções na atmosfera e como consequência tempestades e raios elétricos)- isto permitiu a sintetização de aminoácidos;

4. Existência de um satélite de proporções planetárias[18] – a Lua, que a 3,5 bilhões de anos estava a 1/3 da distancia atual da Terra e provocava marés 9 vezes mais altas e vulcanismos na superfície da Terra. Com isto os oceanos varriam a superfície da Terra com força colossal, trazendo e misturando os elementos químicos necessários para o surgimento dos primeiros sistemas autonomos[19] ( vida) provavelmente no fundo dos oceanos, adsorvidos às conhecidas pedras pome;

 Ao surgir a vida na Terra, há 3,5 bilhões de anos, por cerca de 2 bilhões de anos o Principio Espiritual desenvolve-se em seres vivos primitivos dos reinos  Monera, Protista, Fungo e Planta. Nesta fase este Principio receberá o nome por nós criado didáticamente como de Principio Espiritual Vital , onde o Principio Espiritual Vital aprende por reflexos e por instinto e torna-se o agente da manutenção da própria vida; Aqui, na Terra, como na regra geral do Universo - Neste período então existe o predomínio do Principio Espiritual Vital sobre o Principio Espiritual Arcaico  que segue interagindo com a matéria e coexistindo com  o Principio Espiritual Vital, já diferenciado do seu antecessor

Há cerca de 500 milhões de anos, surge a vida animal, muito mais complexa. Esta é a fase na qual Kardec costuma chamar o espírito de Principio Espiritual Propriamente Dito - PE. O Principio Espiritual Propriamente Dito aprende por reflexo, instinto e inteligência rudimentar; Iniciamos então o período onde o predomínio do Principio Espiritual Propriamente Dito, seguem atuam, cada qual em seu nível de evolução  o Principio Espiritual Vital e o Principio Espiritual Arcaico.

O Princípio Espiritual estagiou, desde os primeiros organismos unicelulares até os animais de hoje. Através da análise do DNA de todos os seres vivos podemos determinar que o primeiro animal a surgir na Terra foi a esponja marinha (DNA)[20]

Há  cerca de 4,5 milhões de anos o PE evolui para a forma de Espírito, encarnando em corpos de hominídeos onde o senso moral passa a preponderar em sua jornada, sendo o fator diferencial, associado ao desenvolvimento da inteligência. O Espírito passa a aprender por reflexo, instinto, inteligência e por interação moral.

A partir deste primeiro animal, os mecanismos já citados de evolução, fizeram em 500 milhões de anos, evoluíssemos até as formas humanídeas e bem mais perto de nós, nos últimos 500 a 250 mil anos evoluir até o Homo Sapiens.

Hoje, todas as fases de evolução espiritual estão presentes na Terra e no Universo. Se concentrarmos nossa atenção no espírito enquanto potência da natureza, poderemos dispensar alguns conceitos como, fluído animal, princípio vital e princípio inteligente que muito mais confundem que esclarecem a natureza das coisas.

 

Descrevemos em mais detalhes este processo e mesmo a evolução do princípio espiritual no planeta Terra, através dos seguintes trabalhos apresentados em Simpósios Brasileiros dos pensamento Espírita;

1 – O Ser humano e a evolução – Uma análise pré-histórica[21]

2 - A Evolução do Princípio Espiritualdo átomo ao Espírito Superior - Uma releitura da Codificação:[22]

 


5 – Conclusões:

 

Considerando os limites impostos a nossas reflexões, ou sejam existência de Deus, do espírito e da matéria, esta última representada desde as mais diversas formas de energia até a menor partícula sub-atômica, passando por todos os estados em que a mesma pode se apresentar. Sabendo  que o espírito é criado simples e ignorante (princípio), devemos portanto admitir que o espírito vá se tornando mais complexo desde a sua criação até um momento qualquer que o analizemos além de que as observações do universo levam à conclusão de que a hipótese do Big Bang é a mais provável para o surgimento do universo que conhecemos.

Considerando também os mecanismos de conhecidos até o momento para o aparecimento e o desenvolvimento de vida no Universo, partindo da experiência terrestre propomos que:

1 – O espírito foi criado junto com a matéria no Big Bang, denominado por mim de Pricípio Espiritual Arcaico, com baixa taxa de evelução, no contando com o potencial de evoluir.

2 – Quando a vida surge, os Pricípios Espirituais Arcaicos passam a ter maior mobilidade e evoluem a outro tipo de princípio espiritual que chamo de Pricípio Espiritual Vital, que irá evoluir nas espécies inferiores da natureza.

3 – Quando a vida evoluiu a espécies animais – o princípio espiritual agrega mais desenvolvimento e passa a incoporar o instinto, aqui chamamos didaticamente de Princípio Espiritual Propriamente Dito.

4 – Quando o pricipio Princípio Espiritual Propriamente Dito chega a fase de compreender a existência do outro, ele se eleva a categoria de Espírito, isto ocorre em nosso planeta quando surgem os hominídeos.

Consideramos também que o mecanismo de evolução seja o da adaptação do mais forte, ou como é conhecido como a teoria da evolução das espécies primeiramente descrita por Darwin. Existe sempre a atuação do Princípio Espiritual no processo, mas não há indicação de evolução por saltos.

 

 6. Referências:

 

AMABIS, JOSÉ MARIANO & MARTHO, GILBERTO RODRIGUES – Fundamentos da Biologia Moderna – editora moderna, Belenzinho _ SP 2002 – página 6.

ANDRADE, HERNANI G. – Morte Renascimento Evolução – uma biologia transcendental – Ed. Pensamento –1983 – página 18.

––- Psi quantico – uma extensão dos conceitos Quânticos e Atõmicos à Idéia do Espírito – Ed. Pensamento – SP – 1986  página 98.

BEISER, ARTHUR – Conceptos de fisica moderna – McGraw-Hill Mexico – 1973.

CHARON, JEAN E. - Espírito este desconhecido – Ed. Melhoramentos, 1977.

CIAMPONI, DURVAL – A Evolução do Princípio Inteligente – FEESP – 1999.

––- Perispírito e corpo mental – sede da memória, geração espontânea e Evolução anímica – FEESP -1999 SP- Brasil.

FERREIRA, AURÉLIO B. DE HOLLANDA – Pequeno Dicionário Brasileiro da Lingua Portuguesa –11a edição Gamma editora .

GLEISER, MARCELO – A dança do Universo – dos mitos de Criação ao Big-Bang - Ed. Companhia das Letras , 1997 – página 356.

GREENE, BRIAN – O tecido do cosmo – o espaço, o tempo e a textura da realidade – Ed. Companhia das Latras – 2004.

HAWKING, STEPHEN W – Uma breve história do Tempo – do Big Bang aos buracos negros;Editora Rocco, 1988 –Rio de Janeiro – RJ.

––- O Universo em uma casca de noz - Ed. Mandarim –São Paulo 2002, página 178.

JÚNIOR, ELISEU F. DA MOTA – Que é Deus? – Editora O Clarim – 2a Edição 1998 – página  33.

KARDEC, ALLAN – O Evangelho segundo o espiritismo – FEB.

-– O Livro dos Espíritos – Ed FEB 1860 2a edição.

-– O Livro dos Médiuns – Ed FEB –50a Edição.

––- Revista Espírita –1860- Março Editora Edicel .

––- Revista Espírita –1868- Julho Editora Edicel.

––- A Gênese – os milagre e as predições segundo o Espiritismo ed. FEB 27a Edição.

LIMA, MOACIR COSTA DE ARAUJO – A Era de Espírito, AGE Editora, 2004 Porto Alegre, página 14.

LUIZ, ANDRÉ – Mecanismos da Mediunidade – FRANCISCO C. XAVIER E WALDO VIEIRA. Ed. FEB – 1939 – página 43.

MACHADO, ALEXANDRE C - A Evolução do Princípio Espiritualdo átomo ao Espírito Superior - Uma releitura da Codificação.

––- Abrindo a sua Menteo que significam os termos teoria, hipótese e leis segundo a metodologia científica– Abril 2006.

––-  Abrindo a sua mente – O que são supercordas e a sua relação com o espiritismo – Jornal Abertura. Editora ICKS -Outubro 2004 – Santos. SP.

––- Abrindo a sua mente-O que é vida? Jornal Abertura Fevereiro 2006.

––- Análise da necessidade de recorrermos à exobiologia , quer física, quer espiritual para explicar o desenvolvimento das civilizações na Terra – X SBPE, santos –SP 2007.

––- O Ser humano e a evolução – Uma análise pré-histórica  - V SBPE, Cajamar 1997.

 

––-  Uma proposta de desenvolvimento do campo científico do Espiritismo – Teoria Científica Kardecista (TCK) –XI SBPE – 2009.

MORRIS, RICHARD – O que sabemos sobre o universo; Jorge Zahar Editor, 2001 Rio de Janeiro – página 48.

NATIONAL GEOGRAFIC – Origens da vida – A evolução das Espécies – Filme O início de tudo.

TERRA –Portal - Vida na Terra e em Marte podem ter origens comuns – Março 2011.

 

RÉGIS, JACI – Uma nova visão Do Homem e do Mundo – Ed. Licespe – Santos SP .

REVISTA ASTRONOMY – Brasil  - Editora Duetto Maio 2007, página 21 – www.revistaastronomy.com.br.

RONAN, COLIN A. – História Ilustrada da Ciência – Universidade de Cambridge, volume III Circulo do Livro -1987 – página 96.

SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL  - Hubble – 15 anos de descobertas – Scientific American Brasil – DVD.

TYSON, NEIL DEGRASSE E GOLDSMITH, DONALD – Origins Fourteen Billion Years of Cosmic Evolution – Norton & Company – 2004 – página 234.

UZUNIAN, ARMÊNIO E BIRNER ERNESTO – Biologia – volume único – Editora HARBRA – página 9 São Paulo – SP – 2001.

VIDEIRA, A & Charbel Niño EI-Hani -  Para entender a biologia do século XXI. Editora Relume Dumara – Rio de Janeiro RJ –Brasil -2000.



[1] Kardec, Allan – O Livro dos Espíritos 1858 Ed. FEB – questão 115

[2] Trabalho do SBPE - A Evolução do Princípio Espiritualdo Átomo ao Espírito Superior – Machado, Alexandre

[3] Kardec, Allan – O Livro dos Espíritos 1858 Ed. FEB – questão 22

[4] Kardec, Allan – O Livro dos Espíritos 1858 Ed. FEB – questão 115

[5] Régis, Jaci - Do Homem e do Mundo – Ed. Licespe – Santos SP –1994 - página 39

[6] Kardec, Allan – O livro dos Espíritos - questão

[7] Kardec, Allan – O livro dos Espíritos - questão

[8] Charon, Jean E. - Espírito este desconhecido – Ed. Melhoramentos, 1977

[9] Greene, Brian – O tecido do cosmo – o espaço, o tempo e a textura da realidade – página 117

[10] Greene, Brian – O tecido do cosmo – o espaço, o tempo e a textura da realidade – página 115

[11] Kardec, Allan – O Livro dos Espíritos – questão 540.

[12] Luiz, André – Mecanismos da Mediunidade – Francisco C. Xavier e Waldo Vieira. Ed. FEB – 1939 – página 43

[13] Andrade, Hernani G. – Psi quantico – uma extensão dos conceitos Quânticos e Atõmicos à Idéia do Espírito – Ed. Pensamento – SP – 1986  página 98

[14] Jornal Abertura – a origem da vida – Alexandre Machado – Fevereiro 1989

[15] Análise da necessidade de recorrermos à exobiologia , quer física, quer espiritual para explicar o desenvolvimento das civilizações na Terra

[16] Vida na Terra e em Marte podem ter origens comuns – Site Terra Março 2011

[17] Tyson, Neil DeGrasse e Goldsmith, Donald – Origins Fourteen Billion Years of Cosmic Evolution – Norton & Company – 2004 – página 233

[18] Hubble – 15 anos de descobertas – Scientific American Brasil - DVD

[19] Origens da vida – a Evolução das Espécies – National Geografhic - DVD

[20] National Geografic – Origens da vida – A evolução das Espécies – Filme O início de tudo.

[21] O Ser humano e a evolução – Uma análise pré-histórica – Alexandre Cardia Machado

[22] A Evolução do Princípio Espiritualdo átomo ao Espírito Superior - Uma releitura da Codificação – Alexandre Cardia Machado