segunda-feira, 3 de março de 2014

XIII SBPE e os grupos de estudos - Abrindo a Mente - Alexandre Cardia Machado


XIII SBPE e os grupos de estudos

Nesta edição de 2013 do XIII SBPE tivemos a presença de dois grupos de estudos: o GELP – Grupo Espírita Livre Pensador, e o Grupo de Estudos do ICKS – Instituto Cultural Kardecista de Santos. Como linha de junção entre eles, está a vontade de estudar e a maturidade.
O GELP apresentou o trabalho ‘Pesquisa mediúnica sobre reencarnação’, em que o grupo, uma vez por mês, dedica-se à aplicação do método de Kardec de pesquisa, com a preparação de um questionário seguido da gravação e transcrição das comunicações para análise e elaboração de trabalhos, como o apresentado. Já o ICKS focou em um projeto para transformar as contribuições diversas do pensador Jaci Régis sobre a Ciência da Alma em um conjunto organizado e, para isto, usou de um estudo epistemológico denominado ‘Pode o Espiritismo ser considerado Ciência da Alma? Uma análise epistemológica da proposta do pensador espírita Jaci Régis’.  

Cada grupo conta com um número grande de participantes, no GELP são 15 pessoas e no ICKS 12 participantes, ou seja, 27 pessoas durante um período prolongado se dedicaram a elaborar um projeto, desenvolvê-lo e apresentá-lo no XIII SBPE.

O Espiritismo, enquanto ciência, possui um método de pesquisa, que Kardec chamou de Método Experimental, ou seja, tal qual às ciências positivas, textualmente: Como meio de elaboração, o Espiritismo procede exatamente da mesma forma que as ciências positivas, aplicando o método experimental. Fatos novos se apresentam, que não podem ser explicados pelas leis conhecidas, ele os observa, compara, analisa e, remontando dos efeitos às causas, chega a lei que os rege; depois lhes deduz as consequências e busca as aplicações uteis” (Gênese, pág.20)”.
Kardec explica nesse parágrafo que o Espiritismo não partiu de hipóteses e sobre elas construiu uma teoria e, sim, através da observação de fatos é que se estabeleceu uma teoria. Esta forma de ação é muito utilizada na ciência e Kardec afirma que: “acreditou-se que esse método só era aplicável à matéria, ao passo que o é também às coisas metafísicas”. (opus cit., pag.20).
O método de pesquisa Espírita libera-se da necessidade da prova experimental, utilizando-se do chamado “crivo da razão” e da confrontação das comunicações, o que certamente foi muito útil para a elaboração da Doutrina. Porém, para a ciência a comprovação se faz necessária. Isto é tão importante que Albert Einstein esperou de 1905 a 1919, para que, durante um eclipse solar, se comprovasse a hipótese, contida na Teoria da Relatividade Especial, de que ‘um raio de luz deveria sofrer um desvio quando se aproximasse de um campo gravitacional intenso’.
O Espiritismo nestes pontos perde o apoio cientifico por não poder prová-los. Certamente hoje, os grupos de estudo tem que considerar também como efetivamente provar os resultados obtidos, este sim um grande desafio – fica aqui o convite a todos para que busquem a leitura destes dois trabalhos.

Para abrir mais a sua mente - Pesquisa mediúnica sobre reencarnação –GELP –anais do XIII SBPE e Pode o Espiritismo ser considerado Ciência da Alma? Uma análise epistemológica da proposta do pensador espírita Jaci Régis. – ICKS – anais do XIII SBPE - você pode conseguir uma cópia deste artigo, enviando um email para ickardecista1@terra.com.br.
 

Um comentário:

  1. Parabéns aos dois grupos de estudiosos,que procuram acrescentar conhecimento ao Espiritismo.Não desanimem,que outros venham....... .

    ResponderExcluir